Mundo

Obama adota cautela em negociações com republicanos

Obama não está certo de que as diferenças políticas entre democratas e republicanos possam ser superadas, ou que sua participação irá ajudar a forjar um acordo


	Em entrevisata, Obama falou sobre as sensibilidades dos congressistas republicanos que querem evitar um comprometimento com a Casa Branca
 (REUTERS/Joshua Roberts)

Em entrevisata, Obama falou sobre as sensibilidades dos congressistas republicanos que querem evitar um comprometimento com a Casa Branca (REUTERS/Joshua Roberts)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de março de 2013 às 09h16.

Washington - O presidente dos EUA, Barack Obama, que busca reiniciar as negociações com o Congresso sobre um amplo pacote de redução do déficit orçamentário, está diante de um dilema: mergulhar fundo nas conversações ou ir mais devagar, preocupado com a possibilidade de seu envolvimento impedir um acordo entre democratas e republicanos.

Obama viajou para o Capitólio para enfrentar os republicanos da Câmara dos Representantes nesta quarta-feira, o segundo de uma série de três dias de reuniões para estimular as negociações sobre uma "grande barganha", em que os parlamentares poderiam considerar o aumento das receitas fiscais, o corte de gastos e ajustar programas de benefícios em um esforço para reduzir déficits.

Mas Obama não está certo de que as diferenças políticas entre democratas e republicanos possam ser superadas, ou que sua participação irá ajudar a forjar um acordo.

Ele teme que os republicanos possam se afastar de um acordo simplesmente para evitar serem vistos como parceiros de um presidente que é impopular em muitos Estados e distritos de tendência republicana.

Dada a desconexão, a Casa Branca sugere que o presidente possa voltar atrás, uma vez que uma massa crítica de senadores republicanos já foi convencida a se envolver nas negociações.

Em entrevista na terça-feira à ABC News, Obama falou sobre as sensibilidades dos congressistas republicanos que querem evitar um comprometimento com a Casa Branca.

"Eu acho que o que eu sou é muito difícil para um republicano ser também", disse o presidente. "Acho que eles sempre têm de ser um pouco mais - você sabe -, manter alguma distância." As informações são da Dow Jones.

Acompanhe tudo sobre:Barack ObamaEstados Unidos (EUA)Países ricosPartido Republicano (EUA)PersonalidadesPolíticos

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame