Acompanhe:

O que vai acontecer na Espanha após a direita vencer eleição mas não formar maioria

A quarta maior economia da Europa vive um momento de incerteza. Os socialistas podem negociar para seguir no poder, o Partido Popular pode tentar governar com a minoria ou novas eleições podem ser convocadas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Espanha: Sánchez conseguiu limitar o avanço da oposição de direita (AFP/AFP)

Espanha: Sánchez conseguiu limitar o avanço da oposição de direita (AFP/AFP)

No último domingo, 23, os espanhóis foram às urnas para eleger um novo governo. Sem uma maioria para formar um novo governo, o presidente espanhol, o socialista Pedro Sánchez, e seu adversário conservador, Alberto Núñez Feijóo, vão iniciar negociações para tentar evitar outro pleito. 

A quarta maior economia da Europa vive um momento de incerteza. Os socialistas podem negociar para seguir no poder, o Partido Popular pode tentar governar com a minoria ou novas eleições podem ser convocadas.

Sánchez conseguiu limitar o avanço da oposição de direita. O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) conquistou 122 cadeiras e o Sumar, seu aliado de extrema-esquerda, 31. Embora juntos sejam 153, menos do que a direita e o Vox, eles têm mais chances de permanecer no poder e obter os votos dos partidos regionais basco e catalão, que já os apoiam regularmente no Congresso.

O Partido Popular de Feijóo (PP, conservadores) conquistou 136 cadeiras de um total de 350 no Congresso dos Deputados, enquanto o Vox, partido de extrema direita, seu único aliado potencial, conquistou 33. Portanto, juntos somam 169 cadeiras, longe da maioria absoluta de 176 que permite a formação de um governo.

Feijóo reivindicou o direito de formar governo como o "candidato do partido mais votado". O líder do Partido Popular, que disse querer evitar "um período de incerteza", pediu aos socialistas que evitem "a tentação de voltar a bloquear a Espanha".

"O cenário é muito complicado, sem dúvida, mas temos que avançar" e negociar, "porque se não, o cenário a que podemos ir também é muito preocupante, seja o bloqueio ou a repetição das eleições", disse na manhã desta segunda-feira à rádio Onda Cero o porta-voz do PP, Borja Sémper.

Sem maioria absoluta com o Vox, Feijóo quer governar em minoria, mas para isso precisaria da abstenção dos socialistas na votação de posse no Parlamento, algo que já disseram que não farão.

Sãnchez confiante que seguirá no poder

Perante alguns apoiadores eufóricos que gritavam "Não passarão", o conhecido slogan antifascista da Guerra Civil (1936-1939), na noite de domingo o presidente do governo, Pedro Sánchez, manifestou confiança na sua capacidade para continuar à frente de Espanha.

O PP e o Vox, "(...) foram derrotados", lançou Sánchez em um pódio em frente à sede do PSOE em Madri. "Muitos de nós querem que a Espanha avance e assim será", acrescentou.

Com 153 deputados, a aliança do PSOE e Sumar vai precisar do apoio de vários partidos regionais, como os catalães do ERC (7 cadeiras), dos bascos do PNV (5) ou do Bildu (6), este último considerado o herdeiro político do extinto grupo separatista ETA.

Mas a chave é que o PSOE e a Sumar também terão que garantir a abstenção do JxCat (7 cadeiras), partido do separatista catalão Carles Puigdemont, que foi para a Bélgica para fugir da Justiça espanhola por seu papel na fracassada secessão catalã em 2017.

"Não vejo a candidatura (de Sánchez) em nenhum lugar agora", alertou nesta segunda-feira o secretário-geral da JxCat, Jordi Turull.

Se Sánchez conseguir superar esse obstáculo, poderá reunir um total de 172 deputados, mais do que o líder conservador, portanto, se o JxCat se abstiver, poderá conseguir a eleição na segunda votação do Congresso, onde são necessários apenas mais "sim" do que "não".

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Código Eleitoral: relator apresenta sugestões de PEC para fim da reeleição e mandatos de 5 anos
Brasil

Código Eleitoral: relator apresenta sugestões de PEC para fim da reeleição e mandatos de 5 anos

Há 4 horas

União Brasil pode adiar definição de novo presidente; entenda disputa no partido
Brasil

União Brasil pode adiar definição de novo presidente; entenda disputa no partido

Há 12 horas

EUA: Justiça nega pedido de Trump para suspender julgamento que o força a pagar US$ 355 mi
Mundo

EUA: Justiça nega pedido de Trump para suspender julgamento que o força a pagar US$ 355 mi

Há 20 horas

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator
Brasil

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais