Acompanhe:

Novos protestos abalam Hong Kong enquanto ativistas buscam ter voz no G20

Manifestantes criticam o projeto de lei que permite que suspeitos sejam enviados à China para julgamento

Modo escuro

Continua após a publicidade
Hong Kong: os protestos marcaram as últimas três semanas (Tyrone Siu/Reuters)

Hong Kong: os protestos marcaram as últimas três semanas (Tyrone Siu/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 27 de junho de 2019 às, 14h35.

Hong Kong — Hong Kong mergulhou no caos novamente nesta quinta-feira, conforme manifestantes protestavam do lado de fora do escritório da secretária de Justiça, bloqueando as vias e obrigando os trabalhadores a saírem, na última agitação a atingir a cidade por conta de uma lei de extradição, que agora foi suspensa.

Milhões de pessoas têm ocupado as ruas nas últimas três semanas para exigir que o projeto de lei, que permitiria que criminosos suspeitos fossem enviados à China para julgamento em tribunais controlados pelo Partido Comunista Chinês, seja descartado por completo.

"Acho que esse movimento é muito bem-sucedido porque desta vez o objetivo é muito claro", disse Ken Yau, um manifestante, delimitando um contraste com o movimento democrático de 2014 em Hong Kong, que paralisou partes do centro financeiro asiático por 79 dias.

"Eu tinha 11 anos quando o Movimento Umbrella aconteceu. Eu só fui para os locais ocupados algumas vezes com minha família."

No forte calor de 32 graus Celsius, alguns manifestantes gritavam: "Retire a lei do mal, solte os mártires ... Teresa Cheng, saia", referindo-se à Secretária de Justiça. Outros gritavam: "Condenem a força excessiva da polícia e liberem os manifestantes."

A polícia formou um cordão de isolamento para bloquear os manifestantes. Pequenas conflitos surgiram entre o grupo pró-democracia Demosisto e as autoridades.

"Luta pela Justiça", "Hong Kong Livre" e "Democracia Agora" foram algumas das demandas estampadas nas faixas dos manifestantes.

Protestos em Hong Kong contra o projeto de lei que deporta pessoas para julgamento na China.

O chefe da polícia, Stephen Lo, alertou sobre as conseqüências dos surtos de violência e condenou o que disse ser um ambiente de hostilidade que dificulta a tarefa de seus oficiais.

Nas primeiras horas da madrugada, a tropa de choque empunhando bastões e escudos enfrentou dezenas de manifestantes conforme eles rompiam o cerco da sede da polícia.

Os manifestantes têm aproveitado a reunião de líderes mundiais do G20, no Japão, para apelar para que a situação de Hong Kong seja colocada na agenda, uma medida certeira para incomodar Pequim, que prometeu não tolerar tal discussão.

"Sabemos que o G20 está chegando. Queremos aproveitar esta oportunidade para falar por nós mesmos", disse Jack Cool Tsang, 30, técnico de teatro que tirou um dia de folga do trabalho para protestar.

Últimas Notícias

Ver mais
Em meio à crise climática, Haddad pede recursos a bancos multilaterais
ESG

Em meio à crise climática, Haddad pede recursos a bancos multilaterais

Há 3 dias

Feriadão prolongado? Câmara do Rio aprova feriados durante Cúpula do G20 na cidade; entenda
Brasil

Feriadão prolongado? Câmara do Rio aprova feriados durante Cúpula do G20 na cidade; entenda

Há 3 dias

Lula promete apoio à inclusão da Colômbia no Brics após revés com a Argentina
Mundo

Lula promete apoio à inclusão da Colômbia no Brics após revés com a Argentina

Há 3 dias

G20 Brasil: Silveira cobra cumprimento de acordo de U$ 100 bi/ano para transição energética
Brasil

G20 Brasil: Silveira cobra cumprimento de acordo de U$ 100 bi/ano para transição energética

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais