Acompanhe:

Mortes em naufrágio na Coreia do Sul chegam a 156

Familiares das quase 150 pessoas que ainda estão desaparecidas pressionaram o governo hoje para concluir a tarefa de busca pelos corpos rapidamente

Modo escuro

Continua após a publicidade

	O navio Sewol afunda: autoridades sul-coreanas disseram que os mergulhadores precisam agora destruir paredes de cabines para recuperar outros corpos
 (KIM HONG-JI/Reuters)

O navio Sewol afunda: autoridades sul-coreanas disseram que os mergulhadores precisam agora destruir paredes de cabines para recuperar outros corpos (KIM HONG-JI/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 23 de abril de 2014 às, 16h05.

Jindo, Coreia do Sul - O número de mortes causadas pelo naufrágio do navio Sewol há uma semana chegou a 156 nesta quarta-feira.

Familiares das quase 150 pessoas que ainda estão desaparecidas pressionaram o governo hoje para concluir a tarefa de busca pelos corpos rapidamente.

Contudo, o trabalho estava chegando a uma nova e mais complicada fase. Autoridades sul-coreanas disseram que os mergulhadores precisam agora destruir paredes de cabines para recuperar outros corpos.

Nos bastidores, aparece uma questão sensível: quando levar os guindastes e iniciar o esforço de recuperação, cortando e levantando o navio submerso.

O governo já avisou que o trabalho pode eliminar bolsões de ar que poderiam estar mantendo vivos sobreviventes, mas para alguns parentes essa é uma esperança há muito perdida.

"Agora, acho que temos que lidar com isso de forma realista", disse Pyun Yong-gi, cuja filha de 17 anos está entre os desaparecidos.

"Nós não queremos que os corpos se deteriorem ainda mais, por isso queremos eles os retirem o mais rápido que puderem" disse Pyun na ilha de Jindo, onde os corpos recuperados são levados para as famílias identificarem.

Esta opinião, no entanto, não é compartilhada entre todos os parentes dos desaparecidos.

O número de corpos recuperados aumentou consideravelmente desde o fim de semana, quando os mergulhadores que lutavam contra fortes correntes e baixa visibilidade conseguiram finalmente entrar no navio submerso.


Mas Koh Myung-seok, porta-voz da força-tarefa de emergência do governo, disse que o trabalho está ficando mais difícil e mergulhadores devem agora romper paredes da cabine.

O governo não informou quando pretende começar o esforço de recuperação do navio, mas apontou que terá consideração com as famílias dos desaparecidos.

"Mesmo se houver apenas um sobrevivente, nosso governo fará o seu melhor para resgatar essa pessoa e então iremos recuperar o navio."

Vinte e dois dos 29 membros da tripulação do navio sobreviveram e 11, incluindo o capitão Lee Joon-seok, foram presos ou detidos. Dois dos integrantes da tripulação foram presos hoje, segundo o procurador sênior Ahn Sang-don.

Ahn disse que uma análise de fotos e vídeo do navio antes do naufrágio mostrou que o capitão e outros membros da tripulação presos não cumpriram o seu dever de resgatar passageiros.

Ahn disse que eles estavam na sala de comando ou na sala de motores antes de abandonar o Sewol mais rápido do que os passageiros.

Não foi um tripulante, mas um passageiro quem primeiro alertou as autoridades de que o barco estava em perigo, confirmou a Guarda Costeira nesta quarta-feira.

Um telefonema de emergência foi feito às 8h52 da quarta-feira passada (horário local) para o Corpo de Bombeiros Jeonnam 119, que transferiu a ligação para o escritório da Guarda Costeira de Mokpo, afirmou o órgão em comunicado enviado por e-mail.

O comando do ferry mandou o primeiro alerta três minutos depois. A agência de notícias Yonhap relatou que a pessoa que telefonou foi um estudante de uma escola de ensino médio de Ansan, perto de Seoul.

Ele ainda está desaparecido. Estavam na embarcação 323 estudantes dessa mesma escola. 

A causa da tragédia ainda é desconhecida. Ahn disse que investigadores avaliam fatores como vento, correntes oceânicas, frete, modificações feitas ao navio e o fato de que ele virou pouco antes de naufragar. Fonte: Associated Press.

Últimas Notícias

Ver mais
Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 12 horas

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Mundo

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Há 13 horas

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio
Mundo

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio

Há 13 horas

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel
Mundo

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais