Mundo

Militar que capturou Che Guevara morre na Bolívia

O general Gary Prado Salmón comandou uma patrulha no sudoeste da Bolívia em 8 de outubro de 1967 que terminou com a captura do revolucionário esquerdista argentino "Che" Guevara, que estava ferido

Prado Salmón enfrentava complicações de saúde e estava hospitalizado desde abril (AFP/AFP Photo)

Prado Salmón enfrentava complicações de saúde e estava hospitalizado desde abril (AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de maio de 2023 às 12h07.

O general boliviano Gary Prado Salmón, que capturou o guerrilheiro argentino Ernesto "Che" Guevara em 1967, morreu no sábado (6) na cidade de Santa Cruz aos 84 anos, anunciou o filho do militar nas redes sociais.

"O Senhor acaba de chamar ao seu Reino o meu pai Gral Div SP Gary Augusto Prado Salmón. Estava ao lado da esposa e dos filhos. Nos deixa um legado de amor, honradez e bom temperamento. Foi uma pessoa extraordinária", escreveu seu filho Gary Prado Araúz no Facebook.

Prado Salmón enfrentava complicações de saúde e estava hospitalizado desde abril. O filho agradeceu em sua mensagem todas as pessoas que apoiaram a família ""neste momento de agonia".

O general Gary Prado Salmón comandou uma patrulha no sudoeste da Bolívia em 8 de outubro de 1967 que terminou com a captura do revolucionário esquerdista argentino "Che" Guevara, que estava ferido. Um dia depois, o exército boliviano cumpriu a ordem de executar Guevara.

No mesmo ano, o Congresso boliviano nomeou Prado Salmón herói nacional por defender o que o governo militar boliviano do general René Barrientos considerou então uma "invasão estrangeira subversiva".

Em 1981, um tiro acidental atingiu sua coluna e o deixou em uma cadeira de rodas. Em 1988, Prado Salmón se aposentou da carreira militar.

Acompanhe tudo sobre:Bolívia

Mais de Mundo

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Hezbollah ataca Israel com mais de 100 foguetes após assassinato de comandante

Cúpula suíça fala de paz na Ucrânia, reúne países do Sul Global e deixa Rússia de fora

Submarino nuclear russo chega a Cuba para celebração de relação diplomatica entre países

Mais na Exame