Acompanhe:

Milei mantém peronista Scioli como embaixador do Brasil, em novo gesto ao governo Lula

Político experiente e peça-chave na relação pragmática entre Brasil e Argentina durante os governos Fernández e Bolsonaro, embaixador tem como desafio manter o bom vínculo entre os países com Milei

Modo escuro

Continua após a publicidade
Argentina: Daniel Scioli é o embaixador do país no Brasil (NurPhoto/Getty Images)

Argentina: Daniel Scioli é o embaixador do país no Brasil (NurPhoto/Getty Images)

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei, anunciou nesta quarta-feira que manterá o peronista Daniel Scioli como embaixador do país no Brasil.

A declaração é mais um aceno do ultradireitista ao governo brasileiro, após a futura chanceler do ultradireitista ter se encontrando com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, em Brasília no domingo, onde reforçou o convite ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a posse. Scioli foi um dos principais articuladores do encontro e é visto como uma peça fundamental para evitar uma crise no vínculo entre as duas nações depois dos ataques de Milei a Lula na corrida presidencial.

O anúncio acontece no mesmo dia em que Milei confirmou Luis Caputo, conhecido como o "Messi das finanças", como ministro da Economia. Aos poucos, o ultradireitista tem revelado mais detalhes sobre o seu futuro Gabinete e demonstrado uma postura mais moderada do que adotada na campanha, inclusive como a participação de pessoas próximas ao peronismo, como Scioli.

Desde 2020, o embaixador argentino era representante do governo do peronista Alberto Fernández e conseguiu, apesar das diferenças ideológicas, estabelecer um bom vínculo entre o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. A habilidade política é um dos ativos para a nova fase da relação entre os países, novamente com orientações políticas divergentes no poder, mas interesses econômicos indissociáveis.

Semana passada, Milei declarou que, se vier à posse, o chefe de Estado brasileiro "será bem recebido”. Mas a presença já confirmada de Bolsonaro acompanhado de uma delegação expressiva é um dos entraves para a participação de Lula. Durante a campanha, o argentino referiu-se ao presidente brasileiro como comunista e corrupto.

Scioli chegou a ensaiar uma candidatura às eleições presidenciais neste ano pelo peronismo, contra a vontade de Cristina Kirchner, mas com a aprovação de Fernández. Uma manobra no ministro da Economia e adversário de Milei no segundo turno, Sergio Massa, frustrou os planos do embaixador, que não chegou a figurar entre as opções nas primárias do partido.

Em 2015, ele disputou as eleições contra o ex-presidente Mauricio Macri, um dos principais aliados de Milei junto com a sua apadrinhada, a terceira colocada Patricia Bullrich. Na época, Scioli foi o nome escolhido por Kirchner.

No passado, o embaixador também foi ministro e governador da província de Buenos Aires.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Diretor do Mossad chega a Paris para negociar trégua em Gaza
Mundo

Diretor do Mossad chega a Paris para negociar trégua em Gaza

Há 4 horas

Putin aproveita rival exaurido para colocar Ucrânia contra as cordas
Mundo

Putin aproveita rival exaurido para colocar Ucrânia contra as cordas

Há 6 horas

Israel apresenta primeiro plano oficial para Faixa de Gaza depois da guerra
Mundo

Israel apresenta primeiro plano oficial para Faixa de Gaza depois da guerra

Há 7 horas

Biden anuncia mais de 500 novas sanções à Rússia após morte de Navalny
Mundo

Biden anuncia mais de 500 novas sanções à Rússia após morte de Navalny

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais