Acompanhe:

Manifestantes vão às ruas de Israel no 15º sábado de protestos contra reforma judicial

Desde que a reforma foi anunciada, em janeiro, dezenas de milhares de pessoas se manifestam semanalmente para denunciá-la

Modo escuro

Continua após a publicidade
Manifestantes marcham com bandeiras de Israel em meio a manifestações contínuas contra o projeto de lei de reforma judicial do governo, em Tel Aviv, em 15 de abril de 2023 (AFP/AFP Photo)

Manifestantes marcham com bandeiras de Israel em meio a manifestações contínuas contra o projeto de lei de reforma judicial do governo, em Tel Aviv, em 15 de abril de 2023 (AFP/AFP Photo)

Milhares de israelenses protestaram nas ruas de Tel Aviv neste sábado (15), pela 15ª semana consecutiva, contra a reforma judicial promovida pelo governo do premiê Benjamin Netanyahu, considerada uma ameaça à democracia do país.

"Salvemos a democracia", diziam algumas faixas, entre uma onda de bandeiras israelenses. Alguns manifestantes acenderam sinalizadores e latas de fumaça, relataram jornalistas da AFP.

Outros protestos, com menor número de participantes, também foram registrados nas cidades de Jerusalém, Haifa (norte) e Modiin (centro), em frente à casa do ministro da Justiça, Yariv Levin.

Desde que a reforma foi anunciada, em janeiro, dezenas de milhares de pessoas se manifestam semanalmente para denunciá-la.

Em 27 de março, o governo formado em dezembro por Netanyahu anunciou uma "pausa" legislativa para dar uma "chance [...] de diálogo".

"Todos estamos cansados e não queria vir hoje, mas minha irmã me disse: 'não temos opção' e é verdade, não temos opção, não podemos baixar a guarda, precisamos defender o nosso país", disse Karen Baron, uma psiquiatra de 45 anos.

O Executivo acredita que a medida irá equilibrar o poder entre o Parlamento e a Suprema Corte, considerada politizada pela atual coalizão governista, uma das mais à direita da história de Israel. Já os opositores consideram que a reforma poderia levar o país a um modelo autoritário.

Os protestos deste sábado ocorreram um dia depois de a agência de classificação financeira americana Moody's anunciar que rebaixou a perspectiva de crédito de Israel de "positiva" para "estável".

De acordo com a agência, esta mudança reflete "uma deterioração da gestão de Israel, como mostram os acontecimentos recentes devido à proposta de governo para reformar o sistema judicial".

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
EUA e Reino Unido atacam 18 alvos huthis no Iêmen
Mundo

EUA e Reino Unido atacam 18 alvos huthis no Iêmen

Há 6 horas

Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris
Mundo

Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris

Há 7 horas

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza
Mundo

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza

Há 7 horas

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão
Mundo

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais