Mais de 200 oficinas fecharam em Bangladesh após tragédia

Após desabamento em abril de 2013, mais de 200 oficinas têxteis fecharam no país

Dacca - Mais de 200 oficinas têxteis fecharam em Bangladesh desde o desabamento do edifício Rana Plaza, em abril de 2013, que matou 1.138 pessoas.

Os fechamentos provocaram a perda de centenas de empregos e a desaceleração das exportações, o que preocupa as autoridades do país, muito dependente desta indústria, que representa mais de 24 bilhões de dólares de volume de negócio.

A Associação de Fabricantes e Exportadores de Roupas de Bangladesh (BGMEA), que representa 4.500 fabricantes, considera que o setor vive uma transição difícil desde a catástrofe do Rana Plaza.

"Segundo nossos cálculos, 218 oficinas de roupas fecharam desde a tragédia do Rana Plaza", afirmou o vice-presidente da BGMEA, Shahidullah Azim.

"Muitas eram instalações pequenas e médias, que empregava entre 300 e 800 pessoas".

Alguns fechamentos aconteceram por recomendação dos distribuidores ocidentais e outros por iniciativa própria.

Os grandes grupos de distribuição têxtil ocidentais, praticamente 200 marcas europeias e americanas como Walmart ou H&M, criaram dois grupos distintos - batizados Acordo e Aliança - para inspecionar as unidades de produção, em resposta aos protestos dos consumidores em todo o mundo após a tragédia.

O Acordo inspecionou 1.100 oficinas e a Aliança 600. Centenas de locais foram obrigados a modernizar as instalações para melhorar a segurança.

A situação afetou especialmente as oficinas menores, situadas em edifícios que abrigam diversos tipos de atividades, assim como as fábricas terceirizadas, afetadas pela queda dos pedidos das oficinas maiores.

A instabilidade política antes das eleições legislativas de janeiro, o aumento de 76% dos salários ano passado e a preocupação com a segurança de algumas instalações provocaram fechamentos, de acordo com Azzim.

Jandaker Moazem Hosain, do "Centre for Policy Dialogue", um centro de pesquisa local, coloca em dúvida os números do setor e lembra que várias unidades fecharam antes do desabamento do Rana Plaza.

O especialista destaca que o país sofre mais com a queda da demanda dos grandes mercados (Alemanha, EUA) do que pelos problemas de organização.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.