Mundo

Maduro acusa embaixador dos EUA por complô contra Capriles

A oposição denunciou na terça-feira que Capriles recebeu ameaças de "agressão" antes de firmar sua candidatura à presidência no Conselho Eleitoral

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de março de 2013 às 20h43.

O presidente encarregado da Venezuela, Nicolás Maduro, denunciou nesta quarta-feira o embaixador dos Estados Unidos na OEA, Roger Noriega, por planejar um atentado contra o candidato opositor, Henrique Capriles Radonski, visando a desestabilizar o país após a morte de Hugo Chávez.

"Detectamos planos da extrema direita vinculados ao grupo de Roger Noriega e Otto Reich nos Estados Unidos para realizar um atentado contra o candidato presidencial da oposição, Capriles Radonski", disse Maduro na abertura da Feira Internacional do Livro, sem dar detalhes sobre o complô.

Segundo Maduro, que enfrentará Capriles nas eleições de 14 de abril, o governo colocou "imediatamente" à disposição do candidato opositor "toda a proteção policial e de segurança para garantir sua tranquilidade, sua vida e seus direitos políticos, e para que faça a campanha que tenha que fazer".

A oposição denunciou na terça-feira que Capriles recebeu ameaças de "agressão" antes de firmar sua candidatura à presidência no Conselho Eleitoral.

Os opositores exibiram fotos enviadas a Capriles nas quais a imagem do candidato aparece na tela de uma televisão com duas mãos lhe apontando armas de fogo.

O governo venezuelano tem por inimigos Roger Noriega e Otto Reich, ex-embaixador dos Estados Unidos na Venezuela, ambos acusados de tentar desestabilizar o país.

Meses após anunciar que tinha um câncer, em junho de 2011, Chávez acusou Noriega de desejar sua morte. O líder venezuelano faleceu no dia 5 de março passado.

Acompanhe tudo sobre:Nicolás MaduroOposição políticaPolíticosViolência política

Mais de Mundo

Chevron quer desbancar ExxonMobil e assumir projeto bilionário de petróleo na Guiana

'Rolexgate': presidente do Peru é denunciada pela Procuradoria Geral

Mexicanos se preparam para eleger sua primeira mulher presidente

Argentina deve entregar alimentos a cozinhas comunitárias, ordena Justiça do país

Mais na Exame