Mundo

Líder da Catalunha tem 5 dias para esclarecer sobre independência

Após o prazo, Madri começará a tomar medidas concretas segundo o artigo que prevê a suspensão total ou parcial da autonomia de uma região

Catalunha: (Enrique Calvo/Reuters)

Catalunha: (Enrique Calvo/Reuters)

A

AFP

Publicado em 11 de outubro de 2017 às 16h11.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, deu um prazo até a próxima segunda-feira (16) para que o presidente catalão, Carles Puigdemont, esclareça formalmente se declarou independência, e, em caso positivo, até 19 de outubro para ratificá-la, informou o Congresso nesta quarta-feira (11).

O horário limite nos dois dias é 10H00 locais (06H00 no horário brasileiro de verão).

Se Puigdemont descumprir os prazos ou sua resposta não for satisfatória segundo o governo, Madri começará a tomar medidas concretas segundo o Artigo 155 da Constituição, que prevê a suspensão total ou parcial da autonomia de uma região.

"Seria muito importante que o senhor Puigdemont esclarecesse para o resto dos espanhóis se ontem declarou a independência ou não", disse Rajoy no Congresso.

"É simples assim e se entende muito bem (...) Não é a mesma coisa que alguém, neste caso o presidente de um governo autônomo, declare a independência - neste caso, o governo tem que agir - [e] que não a declare", continuou.

Rajoy fez, ainda, uma advertência: "É muito importante que o senhor Puigdemont acerte" em sua resposta.

Sobre a sessão de terça-feira (10) no Parlamento catalão, em que o presidente regional declarou a independência para suspendê-la imediatamente depois para facilitar o diálogo com o governo de Madri, Rajoy disse que foi algo "absolutamente lamentável".

"Não há ninguém aqui que possa pensar que o que aconteceu ontem no Parlamento da Catalunha (...) foi algo normal, razoável e próprio de um país democrático".

Acompanhe tudo sobre:Barcelona (Espanha)CatalunhaEspanhaReferendo

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame