Mundo

Kamala Harris cobra Hamas por cessar-fogo em Gaza

Vice-presidente dos EUA também pediu mais esforços de Israel para aumentar as entregas de ajuda a Gaza

Kamala Harris: "Diante da imensa escala de sofrimento em Gaza, deve haver um cessar-fogo imediato" (Sean Rayford/Getty Images)

Kamala Harris: "Diante da imensa escala de sofrimento em Gaza, deve haver um cessar-fogo imediato" (Sean Rayford/Getty Images)

Publicado em 4 de março de 2024 às 06h17.

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, exigiu no último domingo, 3, que o grupo terrorista palestino Hamas concorde com um cessar-fogo imediato de seis semanas. Harris também pediu mais esforços de Israel para aumentar as entregas de ajuda a Gaza, onde ela disse que pessoas inocentes estavam sofrendo uma "catástrofe humanitária".

Em alguns dos comentários mais fortes de um líder sênior do governo dos Estados Unidos até o momento sobre o assunto, Harris pressionou o governo israelense a ajudar o enclave densamente povoado, onde centenas de milhares de pessoas enfrentam a fome, após cinco meses da campanha militar de Israel.

"Diante da imensa escala de sofrimento em Gaza, deve haver um cessar-fogo imediato", disse Harris em um evento em Selma, Alabama. "Há um acordo sobre a mesa, e como dissemos, o Hamas precisa concordar com esse acordo. Vamos conseguir um cessar-fogo."

"As pessoas em Gaza estão passando fome. As condições são desumanas e nossa humanidade comum nos obriga a agir... O governo israelense deve fazer mais para aumentar significativamente o fluxo de ajuda. Sem desculpas", disse ela.

No domingo, uma delegação do Hamas chegou ao Cairo para a última rodada de negociações de cessar-fogo, anunciada por muitos como o último obstáculo possível para um acordo de trégua, mas não ficou claro se houve algum progresso. 

A versão online do jornal israelense Yedioth Ahronoth publicou que Israel boicotou as negociações depois que o Hamas rejeitou sua demanda por uma lista completa nomeando reféns que ainda estão vivos.

Washington insistiu que o acordo de cessar-fogo está próximo e tem pressionado para colocar uma trégua em vigor até o início do Ramadã, daqui a uma semana. Um acordo traria o primeiro cessar-fogo prolongado da guerra, que já dura cinco meses com apenas uma pausa de uma semana em novembro. Dezenas de reféns mantidos por militantes do Hamas seriam libertados em troca de centenas de detentos palestinos.

Após a chegada da delegação do Hamas, um oficial palestino disse à agência de notícias Reuters que o acordo "ainda não está lá". Não houve comentários oficiais de Israel.

Em negociações anteriores, o Hamas buscou evitar discutir o bem-estar dos reféns individuais até que os termos de sua libertação fossem estabelecidos.

Em outros movimentos diplomáticos, o membro do gabinete de guerra israelense Benny Gantz se encontrará com Harris na Casa Branca na segunda-feira e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em Washington na terça-feira. O enviado dos EUA Amos Hochstein visitará Beirute na segunda-feira para tentar desescalar o conflito na fronteira entre Líbano e Israel.

Acompanhe tudo sobre:Kamala HarrisEstados Unidos (EUA)Faixa de GazaConflito árabe-israelense

Mais de Mundo

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Suprema Corte dos EUA analisa se Trump dispõe de imunidade presidencial

Mais na Exame