Mundo

Justiça alemã inicia julgamento de suspeitos de planejar golpe de Estado

Entre os nove acusados estão os supostos cérebros do grupo de extrema-direita, que planejava invadir o Bundestag de Berlim, prender os deputados e derrubar o governo

Heinrich XIII, chamado de príncipe Reuss, está entre os acusados de planejar um golpe de Estado na Alemanha (AFP)

Heinrich XIII, chamado de príncipe Reuss, está entre os acusados de planejar um golpe de Estado na Alemanha (AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 21 de maio de 2024 às 08h26.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 08h26.

Um príncipe, vários ex-oficiais do Exército e uma ex-deputada de extrema-direita, líderes de uma célula que supostamente pretendia organizar um golpe de Estado, começam a ser julgados nesta terça-feira, 21, em um tribunal em Frankfurt, no oeste da Alemanha.

O processo, sem precedentes na história recente da Alemanha, é o segundo vinculado ao caso, revelado em 2022 e que envolve 26 suspeitos.

Entre os nove acusados de Frankfurt estão os supostos cérebros do grupo conspiracionista de extrema-direita, que planejava invadir o Bundestag de Berlim, prender os deputados e derrubar o governo.

A maioria é acusada de "participação em grupo terrorista com o objetivo de eliminar à força a ordem estatal" e de "preparação de um ato de alta traição".

Entre os processados está o aristocrata e empresário Heinrich XIII, de 72 anos, chamado de Príncipe Reuss e descendente de uma família nobre do estado da Thuringia. Os conspiradores planejavam colocá-lo à frente do país de forma provisória após o golpe.

Outro julgado em Frankfurt é Rüdiger von Pescatore, um ex-tenente-coronel do Exército alemão de 70 anos, suspeito de ser um dos fundadores do grupo.

A juíza Birgit Malsack-Winkemann, 56 anos, ex-deputada do partido de extrema-direita AfD, também está entre os processados.

Os membros do grupo estão em prisão provisória desde dezembro de 2022. Eles são adeptos da ideologia dos "Reichsbürger" (cidadãos do Reich), um movimento heterogêneo que nega a legitimidade da República Federal da Alemanha.

Segundo o Ministério Público Federal, os réus alegam que o país está dominado por uma "seita de elites pedófilas". Uma ideologia que lembra o movimento de teoria da conspiração QAnon nos Estados Unidos.

A rede tinha quase 500.000 euros a sua disposição, assim como um "arsenal de quase 380 armas de fogo, quase 350 armas brancas, 500 armas (de outro tipo) e ao menos 148.000 munições", segundo os investigadores.

Nos últimos dois anos, a Alemanha desmantelou várias redes, incluindo uma que planejava sequestrar o ministro da Saúde devido às restrições impostas contra a pandemia de covid-19.

Acompanhe tudo sobre:EuropaAlemanha

Mais de Mundo

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Direito ao aborto é retirado da declaração do G7 por oposição da Itália

Suprema Corte dos EUA anula proibição de acessório que converte armas em metralhadoras

Israel bombardeia Gaza e tensões continuam na fronteira com o Líbano

Mais na Exame