Mundo

Jornalista morre em bombardeio russo no norte da Síria

Al Omar trabalhava para "Al Jazeera Mubasher", o canal de transmissões ao vivo da televisão


	Síria: de acordo com dados de ONGs, pelo menos 200 trabalhadores de meios de comunicação e jornalistas cidadãos morreram na disputa
 (SANA / Reuters)

Síria: de acordo com dados de ONGs, pelo menos 200 trabalhadores de meios de comunicação e jornalistas cidadãos morreram na disputa (SANA / Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de julho de 2016 às 09h01.

Beirute - O jornalista do canal catariano Al Jazeera Ibrahim al Omar morreu nesta segunda-feira em um bombardeio de aviões russos na província noroeste síria de Idlib, anunciou a própria rede em seu conta no Twitter.

Al Omar trabalhava para "Al Jazeera Mubasher", o canal de transmissões ao vivo da televisão.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos informou hoje sobre oito bombardeios de aviões de guerra na zona de Al Tarmanin, no norte de Idlib, onde pelo menos três pessoas morreram, entre elas um menor, e várias ficaram feridas.

Segundo a ONG, ataques similares ocorreram na área de Ahsam, na região de Jabal Zawiya, também em Idlib, onde pelo menos duas pessoas perderam a vida.

O Observatório não precisou se entre essas pessoas figura o repórter da "Al Jazeera".

Desde o início do conflito no território sírio em março de 2011, o canal perdeu vários de seus profissionais neste país enquanto cobriam eventos.

Em dezembro, o câmera da "Al Jazeera" Zakaria Ibrahim morreu pelos ferimentos sofridos por disparos dos soldados governamentais sírios quando informava desde o norte da província central de Homs.

De acordo com dados da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), pelo menos 200 trabalhadores de meios de comunicação e jornalistas cidadãos morreram na disputa na Síria.

Acompanhe tudo sobre:Al JazeeraEmpresasMortesSíria

Mais de Mundo

Com eleições antecipadas, oposição de esquerda se reunirá em uma 'Frente Popular' na França

Por que os super-ricos ameaçam deixar o Reino Unido nos próximos anos?

Israel prossegue ofensiva em Rafah, Biden culpa Hamas por atraso na trégua

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

Mais na Exame