Acompanhe:

Igreja deve acolher gays e divorciados, diz documento base

Homossexuais não devem ser discriminados e divorciados pertencem à Igreja, segundo documento base a ser debatido por bispos

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Padres da Igreja Católica: assembleia de bispos começou hoje
 (Joe Klamar/AFP/AFP)

Padres da Igreja Católica: assembleia de bispos começou hoje (Joe Klamar/AFP/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 6 de outubro de 2014 às, 14h18.

Cidade do Vaticano - Os homossexuais não devem ser discriminados e divorciados pertencem à Igreja: é o que diz o documento base que os bispos debaterão na 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família, que começou nesta segunda-feira.

Esses dois enunciados estão no "relatio ante disceptationem" (relatório precedente ao debate), texto que engloba as posições que irão expor durante duas semanas os padres sinodais, bispos com voz e voto na assembleia, e que foi lido pelo cardeal húngaro Peter Erdo, presidente-delegado do Sínodo.

No texto constata que existe um amplo consenso com relação ao fato que as "pessoas de tendência homossexual não serem discriminadas, como recalca também o Catecismo da Igreja Católica". Contudo, o documento ressalta que entre as posições que os participantes e os fiéis, que foram consultados antes deste Sínodo, expressarão "não se espera uma equiparação destas relações (homossexuais) com o casamento entre homem e mulher".

Outro tema controverso que será abordado é o dos divorciados que voltam a se casar. Esse "é um dos desafios pastorais mais prementes" e, segundo o texto, a Igreja deve cuidar "deles de modo especial".

"Os divorciados recasados civilmente pertencem à Igreja, precisam e têm o direito de ser acompanhados por seus pastores", explica o texto lido pelo cardeal.

Conforme o documento, os "recasados" são convidados a ouvir a palavra de Deus, a participar da liturgia da Igreja, na oração e a realizar obras de caridade. A possibilidade de que as pessoas que se casam de novo possam voltar a receber os sacramentos será um dos objetos de debate.

O Sínodo vai trabalhar também a hipótese que, em certos casos, o bispo diocesano posa formular uma declaração de nulidade matrimonial.

O tema da violência na família e os abusos que mulheres e crianças sofrem, como consequências do consumo exagerado de álcool e drogas, a prática de jogos de acaso, consumo de pornografia e de "outras formas de dependência sexual e das redes sociais" também será abordado.

Nesta introdução, os bispos concordaram que neste Sínodo é preciso atuar com o "espírito do bom Samaritano" e que a Igreja tem que estar "ao lado de quem foi ferido pela vida".

A reunião dos 253 participantes começou às 8h30 (horário local) (3h30 em Brasília) com a presença do papa Francisco.

Últimas Notícias

Ver mais
Zelenski diz que 31 mil soldados ucranianos morreram na guerra com a Rússia
Mundo

Zelenski diz que 31 mil soldados ucranianos morreram na guerra com a Rússia

Há 9 horas

Na Argentina, Milei ataca governadores, após ameaça de corte no fornecimento de petróleo e gás
Mundo

Na Argentina, Milei ataca governadores, após ameaça de corte no fornecimento de petróleo e gás

Há 10 horas

Centenas de pessoas fogem da fome no norte de Gaza: 'Nossa única esperança é a ajuda de Deus'
Mundo

Centenas de pessoas fogem da fome no norte de Gaza: 'Nossa única esperança é a ajuda de Deus'

Há 16 horas

Lula se volta à América Latina e terá encontro com Maduro
Mundo

Lula se volta à América Latina e terá encontro com Maduro

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais