Mundo

Greenpeace avista óleo próximo a plataforma no Mar do Norte

A Total, petrolífera que administra a plataforma, alega que a camada era formada por gás condensado

Plataforma Elgin PUQ (e), da Total, e o poço (d) onde teria ocorrido o vazamento no Mar do Norte
 (Martin Langer/AFP)

Plataforma Elgin PUQ (e), da Total, e o poço (d) onde teria ocorrido o vazamento no Mar do Norte (Martin Langer/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de abril de 2012 às 17h32.

A bordo de Koenigin Juliana - Uma mancha de óleo se espalhou em torno da plataforma onde foi registrado um vazamento de gás no Mar do Norte, afirmaram nesta segunda-feira ativistas do grupo ambientalista Greenpeace a bordo de um barco próximo ao local do acidente, mas a Total alega que a camada era formada por gás condensado.

A embarcação Greenpeace "Koenigin Juliana" passou várias horas desta segunda no limite da zona de exclusão marítima estabelecida em torno da plataforma 'offshore' abandonada da Elgin pertencente ao grupo petroleiro francês, a 240 km da cidade escocesa de Aberdeen.

A Total insiste em que o impacto ambiental desde o início do vazamento da plataforma, em 25 de março, é "relativamente desprezível".

Mas Christian Bussau, especialista do Greenpeace que está no barco, disse que a camada de óleo ao redor da plataforma estava se espalhando e que a organização estava coletando amostras do ar e da água.

Busseau acrescentou que acreditava que a substância fosse petróleo, embora tenha admitido que o Greenpeace não podia analisar as amostras até retornar à sua base na Alemanha, o que está previsto para a primeira hora da manhã de quarta-feira.

"É um acidente muito grave", disse Bussau à AFP a bordo do "Koenigin Juliana". "A Total deve começar imediatamente a tapar o vazamento ou a poluição não vai parar", acrescentou.

O grupo francês preparou um avião de transporte Hércules carregado com um produto que pode ser vaporizado sobre o gás para dispersá-lo, mas indicou que não espera que seja necessário enviá-lo.

A Total destacou que a camada é formada por "condensado leve de gás".

"O condensado leve não representa uma ameaça significativa para as aves marinhas ou outras espécies animais", declarou uma porta-voz da Total à AFP.

O Greenpeace enviou o "Koenigin Juliana" da Alemanha no sábado.

"As companhias petroleiras com frequência ocultam informações quando há acidentes", disse Bussau na manhã desta segunda-feira. "Queremos ter nossa própria ideia do dano ambiental no lugar dos fatos", acrescentou.

A Total, que perdeu 10 bilhões de dólares de capitalização em bolsa desde que o vazamento foi descoberto, espera que os reguladores britânicos a autorizem a intervir na plataforma.

O diretor financeiro do grupo, Patrick de la Chevardière, informou na segunda-feira, durante conferência com analistas em Paris, que as medidas tomadas para tentar resolver o problema custam "ao redor de um milhão de dólares diários".

Após a extinção do queimador que impedia o acesso à plataforma devido ao risco de explosão, a Total se concentra agora nas operações de tamponamento.

A primeira etapa consistirá no envio de uma equipe com especialistas da empresa americana "Wild Well Control", que já interveio no Golfo do México, após a explosão da plataforma da BP Deepwater Horizon, em 2010.

A Total se prepara também para injetar lama de alta densidade no poço acidentado, assim como perfurar dois poços auxiliares a fim de deter o escapamento, caso a primeira opção, mais rápida mas que requer a presença de especialistas na plataforma, não seja possível.

A Total definiu o acidente como "o mais grave" no Mar do Norte em pelo menos 10 anos.

Acompanhe tudo sobre:EnergiaGásGreenpeaceMeio ambienteOceanosPetróleo

Mais de Mundo

Lufthansa aumenta preços de passagens na Europa para cobrir custos ambientais

Estátua de cera de Abraham Lincoln derrete no calor brutal de Washington, nos EUA

Brasileiro é eleito para chefiar a Interpol pela 1ª vez

Qual o plano deste estado dos EUA para criar uma renda básica universal?

Mais na Exame