Mundo
Acompanhe:

Explosões deixam Beirute, no Líbano, com cenas de guerra; veja vídeos

Em vídeos publicados em redes sociais, é possível ouvir um forte barulho, seguido por uma nuvem de fumaça que lembra o formato de cogumelo

Explosão em Beirute: ainda não há informações oficiais sobre mortes e feridos. (Anwar AMRO/AFP)

Explosão em Beirute: ainda não há informações oficiais sobre mortes e feridos. (Anwar AMRO/AFP)

Por Victor Sena, Clara Cerioni

5 de agosto de 2020, 11h40

Uma grande explosão foi vista nesta terça-feira, 4, em Beirute, capital do Líbano. De acordo com o diretor geral da Segurança Geral Abbas Ibrahim, as violentas explosões podem estar ligadas a "materiais explosivos" confiscados e mantidos em um armazém "por anos".

"Parece que há um armazém contendo materiais confiscados há anos, e parece que eram materiais muito explosivos", disse. "Os serviços responsáveis estão realizando a investigação, e dirão qual é a natureza do incidente", acrescentou.

O ministro da Saúde do Líbano disse que mais de 100 pessoas morreram e mais de 4.000 ficaram feridas.

Em vídeos publicados nas redes sociais, é possível ouvir um forte barulho, seguido por uma nuvem de fumaça que lembra o formato de cogumelo — comum em situações em que há explosão de bombas. A explosão mais forte parece ter acontecido depois de uma outra, mais fraca, que já chamava a atenção das pessoas, que começaram a filmá-la.

Há relatos também de danos causados em prédios vizinhos ao local que fica localizado na zona portuária da cidade e de caos nas ruas da região central. Segundo a rede televisiva libanesa LBCI, foi registrado danos na residência do ex-primeiro-ministro Saad Hariri, que fica no centro de Beirute.

Veja os vídeos da explosão registrada em Beirute, no Líbano:

https://twitter.com/Breaking911/status/1290674198587871232

Além dos vídeos em que é possível ver a explosão, pessoas têm publicado imagens de como a cidade está no momento. É possível ver muitas poeira, carros amassados e janelas de prédios quebradas.

A tragédia acontece num momento em que o país passa por uma crise econômica sem precedentes. Com uma dívida que chega a 170% do PIB, o governo não tem mais recursos nem para pagar as suas próprias contas de energia, telefone e internet.

Como resultado, as operadoras de celular reduziram a velocidade de conexão em vários lugares onde há repartições públicas. Também acabou o dinheiro para importar o combustível que gera a eletricidade. Resultado: boa parte das cidades está às escuras.

Veja fotos de Beirute após a explosão que destruiu a capital do Líbano