Mundo

Gatos do palácio presidencial do México vão receber comida e cuidados vitalícios

Não se sabe ao certo quando os felinos apareceram pela primeira vez ou como entraram no edifício

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de abril de 2024 às 13h57.

Dezenove gatos que circulam tranquilamente pelo Palácio Nacional do México, com seus jardins exuberantes e salões coloniais históricos, ganharam um belo presente: serão alimentados e cuidados para sempre enquanto estiverem por lá. As informações são da Associated Press.

Agora, os gatos do palácio entraram para a história depois que o governo do presidente López Obrador os declarou como "ativos fixos vivos", os primeiros animais no México a receber esse título.

O termo de investimento "ativos fixos" geralmente se aplica a edifícios e móveis, mas ao aplicá-lo aos gatos, López Obrador obrigou o Tesouro do país a dar-lhes comida e cuidar deles pelo resto de suas vidas, mesmo depois que o líder deixe o cargo em outubro.

"Eles têm acesso a todas as partes do palácio, por isso entram em reuniões, entrevistas e passeiam pelas câmeras", disse Jesús Arias, veterinário do Palácio Nacional,

"Os gatos agora são um símbolo do Palácio Nacional. Assim como entendemos este mundo, eu não entenderia o Palácio Nacional sem a presença desses gatos", disse Adriana Castillo Román, diretora geral do Palácio Nacional e da Conservação do Patrimônio Cultural. "Temos que nos certificar de que os gatos sejam bem cuidados."

Localizado no coração da Cidade do México, a residência de López Obrador foi construída sobre o antigo palácio do imperador indígena Moctezuma. Ironicamente, a antiga cultura asteca de Moctezuma homenageava não os gatos, mas os cães, que eram até mesmo enterrados com seus donos.

Atualmente, porém, López Obrador está acompanhado por Bowie, Bellof, Nube, Coco, Yema, Ollin, Balam e outros, que parecem ter encontrado um lar perfeito . O próprio presidente disse que os gatos "dominam" o palácio e frequentemente andam na frente dele durante as cerimônias oficiais.

Alguns têm nomes de artistas, como o gato laranja "Bowie", em homenagem ao astro do rock David Bowie, que visitou o palácio em 1997 para ver o famoso mural do pintor mexicano Diego Rivera. Outros têm nomes de rochas nativas ou palavras da antiga língua asteca da região, como Ollin, que significa "movimento".

Não se sabe ao certo quando os felinos apareceram pela primeira vez ou como entraram no edifício. Embora 19 gatos vivam no edifício em tempo integral, muitos outros entram e saem, e a equipe suspeita que eles passam por uma pequena fenda no portão do palácio à noite.

Acompanhe tudo sobre:MéxicoGatos

Mais de Mundo

Israel autoriza retomada das negociações para obter a libertação dos reféns em Gaza

A corrida contra o tempo de Rishi Sunak para as eleições britânicas

EUA e Ucrânia acusam Rússia de usar gás tóxico proibido, revela WSJ

Alemanha diz que vai prenderá Netanyahu se houver ordem do Tribunal Penal Internacional

Mais na Exame