G20: Suíça aparece como exemplo contra a corrupção

País se declarou modelo no combate à corrupção durante evento do Banco Mundial e da ONU

A ministra das Relações Exteriores da Suíça, Micheline Calmy-Rey, durante festividades no país (.)

A ministra das Relações Exteriores da Suíça, Micheline Calmy-Rey, durante festividades no país (.)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de junho de 2010 às 11h59.

Paris - Suíça se impôs hoje como exemplo na luta para devolver bens e fundos depredados por ditadores e outros dirigentes corruptos em uma conferência co-patrocinada pelo o Banco Mundial (BM) e uma agência da ONU para pedir ao Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países ricos e os principais emergentes) que atuem de maneira firme.

"Somos um país líder" no combate aos recursos conquistados pela corrupção, suborno e o desvio, destacou à imprensa a ministra de Exteriores suíça, Micheline Calmy-Rey, na abertura da conferência organizada com vistas à cúpula de G20 de Toronto neste mês.

Calmy-Rey insistiu que "não querem esse dinheiro" na praça suíça. O objetivo é "devolvê-lo aos países vítimas" da corrupção, e lembrou a "grande experiência de seu país", que restituiu US$ 1,7 bilhão nos últimos anos.

A diretora-executiva do BM, Ngozi Okonjo-Iweala, como anfitriã da reunião de dois dias realizada em Paris, pediu ao G20 que incorpore em sua agenda para cúpula do Canadá a questão de impedir a lavagem de dinheiro da corrupção.

Por ano, a estimativa é que haja um desvio entre US$ 20 bilhões e US$ 40 bilhões nos países em desenvolvimento mediante suborno, desvio e outras práticas ilícitas, mas que nos últimos 16 anos só conseguiram restituir US$ 5 bilhões.

No ano passado, a Suíça tinha se mostrado reticente aos trabalhos da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre a identificação de paraísos fiscais para preparar um dispositivo contra eles no G20.

Mais de Mundo

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Borrell anuncia novas sanções da UE ao programa de drones e mísseis do Irã

Trump orquestrou 'esquema criminoso' para influenciar eleições em 2016, diz promotoria em julgamento

UE garante continuidade da ajuda à Ucrânia, mas não se compromete

Mais na Exame