Mundo

Furacão Sally atinge Estados Unidos com a previsão inundações históricas

Com a chegada do furacão Sally, cerca de 75 mil casas no Alabama e Flórida estavam sem energia elétrica na terça-feira à noite

Furacão Sally está na de categoria 2 em uma escala até 5 (RAMMB/NOAA/NESDIS/AFP)

Furacão Sally está na de categoria 2 em uma escala até 5 (RAMMB/NOAA/NESDIS/AFP)

A

AFP

Publicado em 16 de setembro de 2020 às 09h42.

Última atualização em 16 de setembro de 2020 às 10h09.

O furacão Sally tocou o solo na madrugada desta quarta-feira (16) no estado do Alabama, na costa sul dos Estados Unidos, com a previsão de provocar inundações "históricas" e potencialmente fatais, de acordo com os meteorologistas.

O Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) informou às 9H45 GMT  (6H45 de Brasília) que o fenômeno, de categoria 2 em uma escala até 5, registra ventos de até 165 quilômetros por hora que ameaçam as costas do Alabama, Mississípi e Flórida.

O NHC fez um alerta para inundações "históricas", que podem se tornar extremamente perigosas. Algumas áreas podem registrar chuvas de até 50 centímetros.

O furacão entrou no continente por Gulf Shores, no estado do Alabama.

Quase 75.000 casas no Alabama e Flórida estavam sem energia elétrica na terça-feira à noite, de acordo com o Weather Channel. Alguns vídeos publicados nas redes sociais pareciam mostrar algumas áreas já inundadas.

O furacão entrou no continente com um deslocamento a 3,2 km/h, mas deve ganhar velocidade nas próximas horas.

Furacão Sally atinge Estados Unidos com a previsão inundações históricas

Sally, que se formou ao sul da Flórida, onde aconteceram chuvas intensas no fim de semana, é um dos cinco ciclones atualmente ativos no Atlântico, um fenômeno que só havia sido registrado uma vez, em setembro de 1971, segundo os meteorologista.

A governadora do Alabama, Kay Ivey, disse que apesar de ter perdido força, "o furacão Sally não deve ser menosprezado".

"Veremos inundações recordes que talvez superem níveis históricos. E com a maior quantidade de água, nós teremos mais riscos de perdas de vidas e propriedades", declarou à imprensa.

Ivey decretou estado de emergência na segunda-feira, em previsão à chegada do furacão.

O presidente Donald Trump comparou, em declarações ao canal Fox, Sally com o furacão Laura, que atingiu o Texas e Louisiana, assim como o Caribe, há apenas algumas semanas.

"Este é menor mas um pouco mais direto, mas temos tudo sob controle", afirmou.

"Estamos em contato direto com os Líderes Estaduais & Locais para ajudar as grandes cidades do Alabama, Louisiana e Mississípi", acrescentou no Twitter.

"Mantenham-se a salvo"

O Mississípi também declarou estado de emergência.

Tate Reeves, governador do Mississípi, afirmou que "as projeções de ondas ciclônicas continuam preocupantes, com tempestades costeiras entre cinco e oito pés (1,5 a 2,4 metros)", escreveu Reeves.

"Continuamos muito preocupados com a quantidade de chuva", acrescentou.

O governador de Louisiana, John Bel Edwards, cujo estado ainda não se recuperou do impacto do furacão Laura de categoria 4, pediu aos moradores que estejam preparados.

"Sejam inteligentes e mantenham-se a salvo", tuitou.

Sem nomes

Foram tantas as tempestades tropicais no Atlântico este ano que a Organização Meteorológica Mundial da ONU, responsável por nomear os fenômenos, está prestes a ficar sem nomes pela segunda vez na história.

A última vez foi em 2005, ano em que o furacão Katrina devastou Nova Orleans.

Além de Sally estão em atividade o furacão Paulette, as tempestades tropicais Teddy e Vicky e a depressão tropical Rene.

Paulette atingiu a ilha de Bermudas na segunda-feira com ventos de categoria 2 e fortes chuvas, segundo o NHC.

O centro prevê que a tempestade tropical Teddy, atualmente no meio do Atlântico, se tornará um furacão.

Acompanhe tudo sobre:Desastres naturaisEstados Unidos (EUA)Furacões

Mais de Mundo

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Suprema Corte dos EUA anula decisão que restringe acesso à pílula abortiva

Mais na Exame