Mundo

Furacão Idalia deixa dois mortos e 470 mil sem luz na Flórida

As duas mortes foram de motoristas que foram surpreendidos e sofreram acidentes no meio da tempestade

Furacão Idalia: Os Estados da Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte também foram atingidos (AFP/AFP Photo)

Furacão Idalia: Os Estados da Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte também foram atingidos (AFP/AFP Photo)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 31 de agosto de 2023 às 08h03.

O Idalia tocou ontem a costa dos EUA como um furacão de categoria 3, com ventos de até 215 km/h, matando duas pessoas na Flórida, deixando mais de 470 mil moradores sem energia elétrica e provocando inundações. As duas mortes foram de motoristas que foram surpreendidos e sofreram acidentes no meio da tempestade.

Os furacões são medidos em cinco categorias, sendo a 5 a mais forte. Uma tempestade de categoria 3 é a primeira na escala considerada "grande". Segundo o Centro Nacional de Furacões, uma tempestade de categoria 4 traz "danos catastróficos".

Os Estados da Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte também foram atingidos. Autoridades estaduais emitiram alertas de emergência. Deanne Criswell, diretora da Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema, na sigla em inglês), disse que os efeitos da tempestade serão sentidos até o fim de semana.

Os residentes da Flórida que vivem em áreas costeiras vulneráveis receberam ordens para saírem de suas casas para escaparem de inundações que poderiam chegar a 16 metros. Muitos, no entanto, se recusaram a sair. Na ilha de Cedar Key, dos 800 moradores, pelo menos 100 ficaram para trás.

Parques

O governador da Flórida e pré-candidato presidencial republicano Ron DeSantis, prometeu enviar equipes de resgate após a tempestade e decretou estado de emergência no Estado. Ele afirmou que o Idalia deve ser o furacão mais forte a atingir a região em mais de um século.

O Aeroporto Internacional de Tampa fechou e mais de 900 voos foram cancelados, tanto na Flórida quanto na Geórgia. O condado de Madison, perto de Tallahassee, impôs um toque de recolher após as 20 horas (hora local).

Alguns parques temáticos também foram fechados, como o Disney's Typhoon Lagoon, o Winter Summerland, o Busch Gardens Tampa Bay e o Adventure Island Tampa Bay. Muitos resorts na região central da Flórida seguiram abertos, mas operam com cautela.

"Os clientes hospedados em nossos hotéis, cujos planos de viagem foram afetados pela tempestade, poderão receber uma tarifa com desconto para prolongar sua estadia até a noite de 31 de agosto, se necessário", afirmou a Disney, em comunicado.

Alto risco

Em muitos lugares da Flórida, além da falta de luz, o fornecimento de água também foi interrompido. Em Perry, no norte do Estado, os hotéis ficaram lotados de pessoas que fugiram da destruição. Muitos moradores, no entanto, não tinham dinheiro para pagar um quarto. "Nem todo mundo pode pagar", disse Amanda Manning, de 42 anos, que optou por ficar em sua casa alugada, mesmo depois que uma árvore caiu e destruiu o telhado.

Além da força dos ventos e da quantidade de água, uma rara superlua se tornou uma das maiores preocupações das autoridades locais. O fenômeno pode elevar as marés acima do normal, agravando as inundações. "O momento é muito ruim", disse Brian Haines, meteorologista do Serviço Meteorológico Nacional, na Carolina do Sul.

Ajuda federal

O presidente dos EUA, Joe Biden, aprovou uma declaração de emergência para a Flórida, garantindo ajuda federal para lidar com os estragos do furacão. "Conversei com o governador. Estamos fornecendo tudo o que ele possa precisar", disse Biden. "Não acredito que alguém possa mais negar o impacto da crise climática. Basta olhar em volta. Inundações históricas. Secas mais intensas, calor extremo e incêndios florestais significativos causando danos impressionantes.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

Acompanhe tudo sobre:FuracõesEstados Unidos (EUA)Desastres naturais

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame