Mundo

França reúne membros do Tratado da Antártica para discutir biodiversidade

Os Estados vão discutir durante dez dias (via teleconferência) sobre o manejo da fauna, da flora e das 52 bases científicas implantadas no continente mais austral do planeta

 (Getty Images/Reprodução)

(Getty Images/Reprodução)

A

AFP

Publicado em 13 de junho de 2021 às 10h40.

A França organiza a partir de terça-feira (15) o encontro anual dos 54 membros signatários do Tratado da Antártica, para consultas sobre a governança do "continente branco", cujo pano de fundo é a proteção da biodiversidade do cobiçado território.

O mundo segue mudando. Siga em evolução com a EXAME Academy.

Pela primeira vez desde 1989, Paris é sede desta "Reunião Consultiva do Tratado da Antártica", a 23ª desde que o texto foi assinado em 1959.

Este tratado congelou as muitas reivindicações territoriais sobre a Antártica e dedicou este continente desabitado a atividades científicas e pacíficas.

Os Estados vão discutir durante dez dias (via teleconferência) sobre o manejo da fauna, da flora e das 52 bases científicas implantadas no continente mais austral do planeta.

"É algo como uma reunião de coproprietários", resumiu Olivier Poivre d'Arvor, embaixador da França para os Polos e Assuntos Marítimos.

Mas, embora não esteja na ordem do dia, também será discutida a questão delicada das áreas marítimas que fazem fronteira com a Antártica, com biodiversidade excepcional e crucial no combate às mudanças climáticas.

Entre os Estados sul-americanos, Chile e Argentina foram signatários do acordo original, datado do final de 1959, que incluía apenas uma dezena de países. Com o tempo, dezenas se juntaram - até 54 - vários latino-americanos, incluindo Uruguai e Brasil.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

Acompanhe tudo sobre:AntárticaFrançaMeio ambienteMudanças climáticas

Mais de Mundo

Trump pede apoio de evangélicos nas eleições de novembro

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Mais na Exame