Mundo

Facebook assume compromisso com energias renováveis

A mensagem da empresa para os produtores de energia é clara: investir agora em energias renováveis e afastar-se de carvão

Greenpeace e o Facebook vão colaborar com a promoção das energias renováveis ​​e incentivar utilitários importantes para desenvolver fontes de energia renováveis (Divulgação)

Greenpeace e o Facebook vão colaborar com a promoção das energias renováveis ​​e incentivar utilitários importantes para desenvolver fontes de energia renováveis (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de dezembro de 2011 às 17h10.

São Paulo - Após 20 meses de mobilização, agitação e negociação do Greenpeace para tornar o Facebook “verde”, o gigante da Internet anunciou nesta quinta-feira sua meta para funcionar com energia limpa e renovável. Mais de 700 mil pessoas de todo o mundo se juntaram para fazer esta vitória possível.

A mensagem do Facebook para os produtores de energia é clara: investir agora em energias renováveis e afastar-se do carvão. Além disso, o Greenpeace e o Facebook vão colaborar com a promoção das energias renováveis ​​e incentivar utilitários importantes para desenvolver fontes de energia renováveis.

O site de relacionamento também se comprometeu a desenvolver programas com o Greenpeace para que seus usuários possam economizar energia e envolver suas comunidades nas decisões de energia limpa. As possibilidades para ajudar a capacitar e mobilizar pessoas ao redor do mundo a lançar uma revolução energética são surpreendentes.

Agora o Facebook passa a ter uma política de preferência ao acesso de fornecimento à energia limpa renovável para seus futuros centros de dados - os lugares onde vivem os seus computadores. O carvão ainda é usado pelo Facebook, mas não tem lugar primordial.

A campanha para o Facebook “verde” decolou em fevereiro de 2010, logo após a empresa anunciar seu plano de construir um centro de dados que seria executado com eletricidade feita principalmente da queima de carvão.

Centenas de milhares de pessoas em todo o mundo se envolveram. Celebridades e estudantes voluntários juntaram-se aos ativistas do Greenpeace, da Argentina ao Zimbábue, e em cada cidade onde o Facebook tem escritórios. Apoiadores da campanha ainda estabeleceram um recorde mundial no Guinness para o maior número de comentários no site, em 24 horas.

A energia usada pelos centros de dados, como aqueles que funcionam os sites e serviços online do Facebook, Apple, Microsoft, Twitter e outras grandes empresas de TI, é enorme, totalizando mais de 2% da demanda de eletricidade dos EUA, e está projetado para crescer 12% ou mais a cada ano.

Vídeos, fotos e outros dados são armazenados nesta “nuvem" tecnológica para entregar dados para residências e escritórios em tempo real. Esta nuvem é muitas vezes alimentada a partir de locais que são fortemente dependentes da eletricidade a partir de uma variedade de fontes, incluindo o carvão, que é a mais suja fonte de energia e maior fonte de poluição do aquecimento global no mundo.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaEnergiaEnergia eólicaEnergia solarFacebookGreenpeaceInfraestruturaInternetRedes sociaisTecnologias limpas

Mais de Mundo

Pesquisa mostra que 80% das pessoas querem que países reforcem compromisso com mudanças climáticas

Líderes políticos são presos e inabilitados por apoio à oposição na Venezuela  

Putin vai ao Vietnã tentar fortalecer aliança histórica focada em armas – e agora no petróleo

Por que Putin gosta de viajar em aviões russos antigos?

Mais na Exame