Acompanhe:

Exigências para eficiência de eletrodomésticos vai aumentar

Inmetro avisou que vai rever os níveis de classificação de eficiência energética dos aparelhos eletrônicos; expectativa é que metade perca a classificação máxima

Modo escuro

Continua após a publicidade
As novas classificações serão válidas para geladeiras, fogões, fornos e ar-condicionado (TAMIRES KOPP/PRINT MAKER)

As novas classificações serão válidas para geladeiras, fogões, fornos e ar-condicionado (TAMIRES KOPP/PRINT MAKER)

P
Paulo Virgilio

Publicado em 5 de novembro de 2013 às, 18h18.

Rio de Janeiro - A partir de janeiro de 2013, apenas cerca de 40% dos eletrodomésticos fabricados no país permanecerão com a classificação A, que indica maior eficiência energética, do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Atualmente, 80% estão nessa categoria. A redução será consequência da revisão dos níveis de eficiência, que está sendo feita pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) do instituto. A revisão abrange geladeiras, fogões, fornos e ar-condicionado.

De acordo com o Inmetro, o consumidor será o maior beneficiado com a reclassificação, ao trocar aparelhos de baixa eficiência por aqueles de menor consumo. A economia na conta de luz pode ultrapassar R$ 600 por ano, se for considerada a quantidade de aparelhos em uma casa.

“Por ano, o consumidor pode economizar cerca de R$ 120 ao optar pelo condicionador de ar mais eficiente. Ou seja, considerando o tempo de vida útil do produto, em uma década estará comprando outro novo com o que economizou na utilização diária”, estima o coordenador do programa, Marcos Borges.

Dentro da nova classificação de eficiência, os eletrodomésticos terão que consumir entre 3% e 5% menos energia para receber a nota máxima de avaliação. Além disso, produtos da atual Classe E não poderão mais ser comercializados a partir de 2013. “O Inmetro faz periodicamente revisões dos programas, induzindo a indústria a implementar melhorias nos aparelhos, que vão subindo gradativamente na faixa de etiquetagem”, explica Borges.

O programa foi criado em 1984, para promover a fabricação de produtos mais econômicos e de menor impacto ambiental, que são etiquetados com a classificação de A a E. Desde então, somente os refrigeradores e condicionadores de ar mais eficientes já proporcionaram uma economia de pelo menos R$ 2,4 bilhões nas contas de energia da população, segundo cálculo do Inmetro.

Os produtos mais eficientes em cada categoria recebem o selo Procel e Conpet, da Eletrobras e da Petrobras, respectivamente. O primeiro premia os equipamentos elétricos e o segundo, os que consomem gás.

Últimas Notícias

Ver mais
Diretor do Mossad chega a Paris para negociar trégua em Gaza
Mundo

Diretor do Mossad chega a Paris para negociar trégua em Gaza

Há 3 horas

Putin aproveita rival exaurido para colocar Ucrânia contra as cordas
Mundo

Putin aproveita rival exaurido para colocar Ucrânia contra as cordas

Há 5 horas

Israel apresenta primeiro plano oficial para Faixa de Gaza depois da guerra
Mundo

Israel apresenta primeiro plano oficial para Faixa de Gaza depois da guerra

Há 6 horas

Biden anuncia mais de 500 novas sanções à Rússia após morte de Navalny
Mundo

Biden anuncia mais de 500 novas sanções à Rússia após morte de Navalny

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais