Mundo

Exército de Israel diz ter matado comandante do Hezbollah no Líbano

Eles afirmam que o ataque aconteceu a cerca de 7 km do norte da fronteira entre Israel e o Líbano

O ataque e a morte do comandante do Hezbollah chega em um momento de tensão no Oriente Médio (Menahem KAHANA/AFP)

O ataque e a morte do comandante do Hezbollah chega em um momento de tensão no Oriente Médio (Menahem KAHANA/AFP)

Luiza Vilela
Luiza Vilela

Repórter de POP e Redatora da Homepage

Publicado em 16 de abril de 2024 às 17h40.

Última atualização em 16 de abril de 2024 às 17h58.

Nesta terça-feira, 16, o exército israelense informou a morte de um comandante do Hezbollah, em um ataque aéreo no Líbano. Yusaf Baz chefiava o grupo xiita na região costeira do país.

Em nota, a força de defesa afirma que o ataque aconteceu a cerca de 7 km do norte da fronteira entre Israel e o Líbano. Segundo o exército israelense, o comandante se preparava para disparar mísseis antitanque contra Israel antes de ser interceptado.

O Hezbollah não se pronunciou sobre o ataque e não confirma a morte do comandante.

Tensão no Oriente Médio

O ataque e a morte do comandante do Hezbollah chega em um momento de tensão no Oriente Médio, que já envolve Israel, Palestina, Líbano e Irã. As Forças Armadas de Israel convocaram duas brigadas de reservistas, neste domingo, para servir na Faixa de Gaza.

O anúncio ocorre dois dias depois do ataque do Irã contra o Estado judeu, em um momento em que o Gabinete de Guerra israelense e autoridades militares discutem as formas de responder a ação iraniana sem provocar uma escalada que leve a uma guerra aberta.

Também nesta terça-feira, 16, o gabinete de guerra de Israel se reuniu para discutir como será a resposta ao ataque do Irã

Acompanhe tudo sobre:IsraelOriente MédioLíbanoGuerras

Mais de Mundo

Governo argentino suspende sites e redes sociais de rádio e TV públicas

China aumenta investimentos na Alemanha com foco em energias renováveis

China emitirá 1 trilhão de yuans em títulos especiais de longo prazo em 2024

Trump e aliados indicam que podem questionar resultados das eleições de 2024

Mais na Exame