Exame/IDEIA: o congelante e essencial estado onde Trump passou a perder

Polo automobilístico e na fria região dos Grandes Lagos, o Michigan deu vitória a Trump em 2016. Agora, Biden lidera no estado, mostra pesquisa Exame/IDEIA

As eleições americanas têm alguns estados cruciais. Há quatro anos, no último pleito presidencial, a candidata democrata Hillary Clinton perdeu para Donald Trump em um deles: o Michigan, que fica na congelante região dos Grandes Lagos no norte dos Estados Unidos. Naquela ocasião, Trump venceu por pouco menos de 11.000 votos entre os 4 milhões de votantes.

Desta vez, o presidente aparece perdendo no estado, segundo nova pesquisa de intenção de voto exclusiva feita com eleitores dos Estados Unidos pelo Exame/IDEIA, que une Exame Research, braço de análise de investimentos da EXAME, e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

A sondagem mostrou que 51% dos eleitores no estado votaria em Joe Biden se a eleição fosse realizada hoje, ante 43% de Trump e 6% indecisos.

Trump lidera entre os mais velhos e no segmento rural, enquanto Biden lidera entre negros, jovens e pessoas que votarão pelo correio — modalidade criticada pelo presidente

O número de pessoas que desaprova o presidente, passados quatro anos de mandato, também é maior do que as que avaliam bem o governo. “Como foi em 2016, Michigan será decisivo”, disse Maurício Moura, fundador do IDEIA e pesquisador na Universidade George Washington, ao apresentar os resultados da pesquisa no podcast EXAME Política, que vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana (ouça o episódio no fim da reportagem)

 (Arte/Exame)

O Michigan é lar da cidade de Detroit, que foi por muito tempo um dos maiores polos automobilísticos e industriais do mundo, mas tem sofrido desafios econômicos em meio à queda global dessa indústria. Esse foi um dos motivos que levou parte dos eleitores para Trump há quatro anos.

A derrota apertada de Hillary Clinton no Michigan é até hoje lembrada no Partido Democrata como um dos pontos cruciais que a fizeram perder a eleição

“Alguns inclusive atribuem a derrota da Hillary a uma candidata do partido verde chamada Jill Stein, que teve 51.000 votos. Talvez o destino do país tivesse sido outro se não houvesse esse candidata”, explicou Moura.

A menos de dois meses da eleição, marcada para 3 de novembro, Biden vence em todas as quatro regiões do Michigan, com uma margem maior do que Hillary tinha no mesmo período, aponta Moura.

De 2016 para cá, algumas coisas mudaram: os democratas tiveram bons resultados na eleição para o Senado e elegeram até mesmo a governadora do Michigan, Gretchen Whitmer, de 49 anos e também considerada uma das promessas do partido.

“Os democratas têm crescido muito no Michigan”, diz Maurício Moura, do IDEIA

O Michigan tem cerca de 10 milhões de habitantes (menos do que a cidade de São Paulo), mas o suficiente para garantir 16 votos no colégio eleitoral americano. É um número significativo dentre os 538 votos totais do colégio eleitoral e levando-se em conta que a maioria dos estados tem menos de 10 votos.

No sistema eleitoral americano, vale lembrar, cada estado tem um número de votos e a tendência e quem ganha leva todos os votos na maior parte dos estados, mesmo que a vitória tenha sido apertada (entenda o colégio eleitoral neste episódio do podcast EXAME Política).

Nacionalmente, Trump também aparece perdendo para Biden. O presidente tem 44% de intenções de voto, contra 52% de Biden, como mostrou pesquisa recenta do Exame/IDEIA.

Biden também aparece vencendo, além do Michigan, em outros estados decisivos — o que importa mais nos EUA do que os votos absolutos nacionalmente. Mas a disputa será novamente apertada. Na Flórida, por exemplo, outro dos estados decisivos, os candidatos aparecem virtualmente empatados. A Flórida tem 29 votos no colégio eleitoral (um dos estados com mais votos).

O podcast EXAME Política vai ar toda as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Ouça o novo episódio abaixo e siga na sua plataforma de áudio preferida para acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.