Mundo

EUA reafirmam compromisso com defesa de aliados bálticos

No encontro, a segurança nacional dos três países em relação à ameaça russa foi o ponto central das conversas


	Otan: na cúpula da Otan em Varsóvia foi aprovada a formação de quatro batalhões multinacionais
 (Petras Malukas / AFP)

Otan: na cúpula da Otan em Varsóvia foi aprovada a formação de quatro batalhões multinacionais (Petras Malukas / AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de agosto de 2016 às 14h55.

Berlim - O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reiterou nesta terça-feira aos líderes de Estônia, Letônia e Lituânia, o compromisso "absoluto" de seu país com a defesa de seus aliados da Otan.

Biden reforçou o apoio dos EUA aos países bálticos em Riga, a capital da Letônia, após reunião com o presidente desse país, Raimonds Vejonis, além dos líderes de Estônia, Toomas Hendrik Ilves, e Lituânia, Dalia Grybauskaité.

No encontro, a segurança nacional dos três países em relação à ameaça russa foi o ponto central das conversas.

"Estamos comprometidos absolutamente, fundamentalmente, 100% com nossas obrigações na Otan, inclusive, e especialmente, o artigo 5", disse Biden em referência ao ponto do tratado da aliança que estabelece que todos os aliados responderão conjuntamente em caso de agressão a um deles.

O vice-presidente dos Estados Unidos atendia assim à reivindicação essencial de Estônia, Letônia e Lituânia, que queriam que Biden explicitasse o compromisso de Washington com a segurança de seus aliados da Otan na fronteira com a Rússia.

Em declarações a uma rádio lituana antes do encontro com Biden, Grybauskaité garantiu que, "após as decisões da Otan" na cúpula de julho em Varsóvia, o governo de seu país confiava no investimento dos Estados Unidos na "segurança regional" dos países bálticos.

O primeiro-ministro letão, Maris Kucinskis, por sua vez, havia dito em entrevista à televisão pública nacional que esperava uma reafirmação do apoio americano à região.

"Espero uma confirmação de que nossa defesa está garantida, e de que nós e os Estados Unidos somos parceiros", afirmou Kucinskis, na ocasião.

Na sequência de sua visita a Riga, o vice-presidente dos Estados Unidos irá a Suécia e Turquia. Em Ancara, Biden tentará reverter os danos sofridos nas relações bilaterais entre os países após o golpe de Estado frustrado ocorrido em julho na nação comandada pelo presidente Recep Tayyip Erdogan.

Na cúpula da Otan em Varsóvia foi aprovada a formação de quatro batalhões multinacionais que permanecerão em Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia para aumentar a segurança da fronteira oriental da aliança em caso de uma possível agressão por parte da Rússia.

A anexação da península da Crimeia pelo governo de Vladimir Putin e o apoio do Kremlim aos rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia gerou uma grande incerteza entre os vizinhos da Rússia que pertencem à Otan, que pediram um sinal claro de apoio dos Estados Unidos, seus parceiros na aliança. 

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaEstados Unidos (EUA)EstôniaEuropaLetôniaOtanPaíses ricosRússia

Mais de Mundo

Gastos em armas nucleares foram de US$ 91 bilhões em 2023 com aumento de tensões geopolíticas

Líderes da União Europeia se reúnem para falar dos principais cargos do bloco

Putin viaja à Coreia do Norte para encontro com Kim Jong-un

Países Baixos ampliam para mais oito cidades o teste de consumo legal de maconha

Mais na Exame