Acompanhe:

EUA não reconhecem referendo e podem aplicar mais sanções

Barack Obama disse que referendo na Crimeia foi violação da lei ucraniana e acrescentou que EUA estão prontos para impor mais sanções contra a Rússia

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Presidente dos EUA, Barack Obama: "estamos prontos para impor mais sanções"
 (Yuri Gripas/Reuters)

Presidente dos EUA, Barack Obama: "estamos prontos para impor mais sanções" (Yuri Gripas/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 17 de março de 2014 às, 13h13.

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta segunda-feira que o referendo na Crimeia foi "uma clara violação" da lei ucraniana e acrescentou que seu país está "pronto" para impor mais sanções contra a Rússia se Moscou não mudar sua posição.

"Estamos prontos para impor mais sanções", advertiu Obama em discurso na Casa Branca feito após o governante emitir uma ordem executiva com sanções contra sete altos funcionários do governo de Moscou e quatro cidadãos ucranianos, entre elas o presidente deposto Viktor Yanukovich.

A advertência aconteceu pouco depois de o presidente americano emitir hoje uma ordem executiva com sanções contra sete altos funcionários do governo de Moscou e quatro ucranianos, entre eles o deposto presidente Viktor Yanukovich.

Segundo analistas, se trata das sanções mais significativas impostas pelos EUA à Rússia desde a Guerra Fria.

O referendo realizado neste domingo na república autônoma ucraniana da Crimeia sobre sua reincorporação à Rússia foi "uma clara violação" da Constituição da Ucrânia e do direito internacional e, portanto, "não será reconhecido pela comunidade internacional", reiterou Obama.

"Vamos continuar deixando claro à Rússia que mais provocações não conseguirão nada, exceto isolar ainda mais" Moscou, ressaltou o líder americano.


A intervenção militar russa na Ucrânia "só aprofundará o isolamento diplomático" de Moscou e provocará "uma fenda maior" em sua economia, insistiu.

"Quanto ao futuro, vamos calibrar nossa resposta em função de se a Rússia decide agravar ou não a situação", disse Obama.

O presidente voltou a se mostrar confiante em conseguir uma solução diplomática para o conflito de uma forma que beneficie os "interesses" tanto da Rússia quanto da Ucrânia, mas afirmou que para isso é necessário que Moscou se retire da Crimeia, aceite o envio de observadores internacionais e inicie um diálogo com o novo governo de Kiev.

"Vamos nos manter firmes em nosso apoio inquebrantável à Ucrânia", prometeu Obama.

Entre os russos sancionados hoje pelo governo de Obama estão Vladislav Surkov e Sergei Glaziev, assessores do presidente Vladimir Putin, a presidente do Conselho da Federação (Senado), Valentina Matvienko, e o vice-primeiro-ministro Dmktri Rogozin.

Por outro lado, os ucranianos afetados pelas sanções incluem dois líderes separatistas da Crimeia e a Yanukovich, derrubado após três meses de protestos populares.

Enquanto isso, a Rússia propôs aos Estados Unidos e à União Europeia (UE) criar um "grupo de apoio" que, segundo Moscou, deve ajudar os ucranianos a reconhecer "os direitos da Crimeia de autodeterminação conforme aos resultados" do referendo pelo que essa península decidiu ontem se unir à Rússia.

Últimas Notícias

Ver mais
Europa tem pior temporada de balanços desde a pandemia
seloMercados

Europa tem pior temporada de balanços desde a pandemia

Há 22 horas

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há 23 horas

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown
Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown

Há um dia

G20: dirigente do BCE afirma ser necessário encontrar solução legal sólida para ativos russos
Mundo

G20: dirigente do BCE afirma ser necessário encontrar solução legal sólida para ativos russos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais