Acompanhe:

O Exército dos Estados Unidos afirmou nesta quarta-feira, 31, que destruiu um míssil dos rebeldes huthis no Iêmen, porque o mesmo representava "uma ameaça iminente" a seus aviões.

Os Estados Unidos realizaram ataques contra os huthis unilateralmente e juntamente com o Reino Unido para reduzir a capacidade dos rebeldes de atacar o transporte marítimo internacional, mas esta é a primeira vez que o fazem por representar um perigo a seus aviões.

As forças americanas "atacaram e destruíram um míssil huthi terra-ar preparado para lançamento", após determinarem que o mesmo "representava uma ameaça iminente aos aviões americanos", explicou o Comando Central (Centcom) nas redes sociais, sem informar o tipo de avião ameaçado nem o local do ataque.

Desde novembro, os rebeldes atacam navios no Mar Vermelho que consideram relacionados a Israel, em solidariedade aos palestinos de Gaza.

Diante da reação de Washington e Londres, os huthis também declararam os interesses americanos e britânicos alvos legítimos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Sanções para inglês ver? EUA continuarão com acesso ao petróleo da Venezuela apesar de novo bloqueio
Mundo

Sanções para inglês ver? EUA continuarão com acesso ao petróleo da Venezuela apesar de novo bloqueio

Há 3 horas

Nos EUA, Biden avalia mais de US$ 1 bi em novos acordos de vendas de armas a Israel
Mundo

Nos EUA, Biden avalia mais de US$ 1 bi em novos acordos de vendas de armas a Israel

Há 6 horas

Família Kennedy apoia Biden em vez de Robert Kennedy Jr, que tenta ser 3ª via na eleição
Mundo

Família Kennedy apoia Biden em vez de Robert Kennedy Jr, que tenta ser 3ª via na eleição

Há 19 horas

Meu tio foi devorado por canibais, diz Biden; Casa Branca diz que não, entenda
Mundo

Meu tio foi devorado por canibais, diz Biden; Casa Branca diz que não, entenda

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais