Mundo

EUA anunciam novas sanções contra Rússia durante reunião do G7

Marcelo Xavier é acusado de omissão na segurança dos servidores no Vale do Javari, durante gestão de Jair Bolsonaro

Sanções: Washington também busca pesar sobre o setor financeiro russo, bem como sobre a capacidade da Rússia de produzir energia a médio e longo prazos (Anna Moneymaker/Getty Images)

Sanções: Washington também busca pesar sobre o setor financeiro russo, bem como sobre a capacidade da Rússia de produzir energia a médio e longo prazos (Anna Moneymaker/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 19 de maio de 2023 às 18h37.

Os Estados Unidos impuseram novas sanções à Rússia, anunciadas nesta sexta-feira, 19, que afetam Moscou em todos os setores e pretendem privar os russos de seu apoio para a guerra na Ucrânia.

Ao todo, mais de 300 pessoas, empresas, navios e aviões de toda a Europa, Oriente Médio e Ásia foram adicionados às listas negras dos departamentos de Estado e do Tesouro americanos. As sanções também proíbem as exportações americanas para 70 entidades na Rússia e em outros países.

"As medidas tomadas hoje limitarão a capacidade do presidente russo, Vladimir Putin, de continuar com sua invasão bárbara e contornar as sanções" já vigentes, destacou a secretária do Tesouro, Janet Yellen. "Nossos esforços coletivos privaram a Rússia dos insumos-chave de que necessita para equipar seu Exército e reduziram drasticamente a receita do Kremlin para financiar sua máquina de guerra", acrescentou.

Sanções acontecem durante reunião do G7

Os Estados Unidos anunciaram as novas medidas no momento em que acontece a reunião de cúpula do G7 em Hiroshima, na qual os líderes prometeram aumentar a pressão econômica mundial sobre Moscou.

Entre os novos sancionados há dezenas de empresas da indústria da defesa russa e comerciantes de tecnologia, bem como assessores de funcionários do alto escalão russos que já estavam nas listas negras.

Washington também busca pesar sobre o setor financeiro russo, bem como sobre a capacidade da Rússia de produzir energia a médio e longo prazos, segundo comunicados oficiais.

Novas restrições à Rússia

As novas medidas impõem restrições às exportações de bens essenciais para o campo de batalha da Rússia, como os componentes usados na fabricação dos drones de reconhecimento russos Orlan. Também buscam desbaratar redes para adquirir tecnologia restrita que operam a partir de Liechtenstein, Índia, Finlândia, Estônia e Holanda, e redes financeiras russas que operam a partir da Suíça e dos Emirados Árabes.

No setor de energia, os Estados Unidos miram em 18 entidades. Também atacam "os laços cada vez mais estreitos entre a Rússia e o Irã", punindo, por exemplo, a companhia Khazar Sea Shipping Lines (KSLL), que, segundo Washington, fez 60 visitas a portos russos no último ano.

As sanções americanas congelam todos os ativos que seus alvos tiverem nos Estados Unidos e proíbem que qualquer pessoa ou empresa faça negócios com as entidades designadas.

Acompanhe tudo sobre:FunaiPolícia FederalJair Bolsonaro

Mais de Mundo

Lufthansa aumenta preços de passagens na Europa para cobrir custos ambientais

Estátua de cera de Abraham Lincoln derrete no calor brutal de Washington, nos EUA

Brasileiro é eleito para chefiar a Interpol pela 1ª vez

Qual o plano deste estado dos EUA para criar uma renda básica universal?

Mais na Exame