Equipes de resgate lutam para encontrar sobreviventes de terremoto no Afeganistão

Ao menos 1.000 pessoas morreram e 1.500 ficaram feridas apenas na província de Paktika, a mais afetada
 (EMMANUEL PEUCHOT/Getty Images)
(EMMANUEL PEUCHOT/Getty Images)
Por AFPPublicado em 23/06/2022 06:46 | Última atualização em 23/06/2022 06:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

As equipes de emergência tentavam nesta quinta-feira (23) socorrer as vítimas do terremoto que deixou pelo menos 1.000 mortos no sudeste do Afeganistão, em condições adversas pela falta de recursos, o terreno montanhoso e as fortes chuvas.

O terremoto de 5,9 graus de magnitude aconteceu na madrugada de quarta-feira em uma região rural pobre e de difícil acesso, perto da fronteira com o Paquistão.

Leia: Terremoto no leste do Afeganistão deixa quase mil mortos

As consequências do terremoto são um desafio para o Talibã, que retomou o poder em agosto do ano passado, em um país que já enfrenta uma profunda crise econômica e humanitária.

Este foi o terremoto com o maior balanço de vítimas no Afeganistão em mais de duas décadas. Ao menos 1.000 pessoas morreram e 1.500 ficaram feridas apenas na província de Paktika, a mais afetada.

As autoridades temem um número de mortos ainda maior porque muitas pessoas continuam presas sob os escombros das casas.

"É muito difícil obter informações a partir da região devido à rede telefônica ruim", declarou à AFP Mohammad Amin Huzaifa, secretário de Informação e Cultura de Paktika.

Ele também explicou que o acesso é difícil porque a "região foi afetada durante a noite por inundações provocadas por fortes chuvas", que também provocaram deslizamentos de terra que atrasaram os trabalhos de resgate e afetaram as linhas telefônicas e de energia elétrica.

O governo talibã mobilizou o exército, apesar dos recursos financeiros muito limitados após o congelamento de ativos no exterior e da interrupção da ajuda internacional ocidental, que apoiou o país durante 20 anos.

Ajuda internacional

O Afeganistão tem um número reduzido de helicópteros e aviões. A ONU, que anunciou que pelo menos 2.000 casas foram destruídas - cada uma com média de sete ou oito habitantes -, também apontou a falta de equipamentos para a retirada dos escombros.

Um vídeo da AFP mostra um grupo de homens retirando os escombros de uma casa com as mãos para encontrar um corpo.

O governo Talibã, não reconhecido, pediu ajuda à comunidade internacional e às organizações humanitárias.

Mas o cenário é difícil e as agências da ONU estão menos presentes que antes no país desde que os talibãs retornaram ao poder.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, garantiu que a ONU está "plenamente mobilizada" para ajudar o Afeganistão, com o envio de medicamentos e alimentos.

O Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU destacou que a prioridade para a população é conseguir proteção das chuvas e das temperaturas baixas.

O Talibã anunciou nesta quinta-feira que recebeu dois aviões com ajuda do Irã e do Catar. Também chegaram a Paktika oito caminhões com alimentos e material de ajuda do vizinho Paquistão.

"Nosso país é pobre e tem poucos recursos. É uma crise humanitária. É como um tsunami", declarou à AFP Mohammad Yahya Wiar, diretor do hospital de Sharan, a capital de Paktika.

Dezenas de feridos para levados para o hospital, incluindo Bibi Hawa, uma mulher de 55 anos do distrito de Gayan que perdeu 15 parentes na tragédia.

"Morreram sete que estavam em um quarto, cinco em outro e três em outro", afirmou, sem conter as lágrimas. "Agora estou sozinha, não tenho ninguém".

O Afeganistão sofre com frequência terremotos, em particular na cordilheira de Hindu Kush, localizada na união das placas tectônicas eurasiática e indiana.

O terremoto mais letal da história recente do Afeganistão (5.000 mortos) aconteceu em maio de 1998 nas províncias de Takhar e Badakhshan.

Veja também: