Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Equador anuncia congelamento de preço da gasolina

Decisão foi anunciada pelo presidente Guillermo Lasso, eleito neste ano com promessas liberais e de redução da interferência do Estado

O governo do Equador anunciou nesta sexta-feira, 22, o congelamento do preço dos combustíveis nas bombas de todo o país. O anúncio foi feito pelo presidente recém-eleito Guillermo Lasso, um dia antes de protestos marcados para este fim de semana.

O presidente anunciou que os preços serão cumpridos "sem exceções".

Lasso, que é ex-banqueiro, venceu as eleições realizadas em abril, derrotando o grupo do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017) e prometendo reformas liberais e menor interferência estatal na economia.

"A partir de agora, o preço da gasolina extra está fixado em 2,55 dólares por galão e, da mesma forma, o preço do diesel está fixado em 1,90 dólar", disse Lasso.

O novo preço fixado dos combustíveis representa um aumento de 12% em relação ao valor atual, mas parará por aí. "A partir de hoje estão suspensos os aumentos mensais", disse.

Com a decisão, o governo coloca fim aos reajustes mensais nos preços dos combustíveis, modelo que vigorava desde 2020, no governo do ex-presidente Lenín Moreno — eleito com o apoio do correísmo à esquerda, mas que rompeu com o grupo.

O anúncio de Lasso acontece um dia antes de novas manifestações marcadas para este fim de semana em Quito, convocadas por sindicatos, movimentos indígenas e estudantes.

O Equador já havia vivido uma onda de protestos liderados pelo movimento indígena em outubro de 2019, contra o então governo de Lenín Moreno (que venceu o próprio Lasso em 2017).

Moreno havia cortado subsídios, inclusive aos combustíveis, e implementado outras medidas como contrapartida a um empréstimo junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI), criticado pela oposição. A pandemia terminou de devastar o governo, que encerrou o mandato com popularidade na casa dos 10%.

Esse cenário levou Lasso a ser o primeiro presidente eleito sem apoio do chamado "correísmo" em 14 anos. Com propostas econômicas liberais, Lasso teve 53% dos votos contra o economista de esquerda Andrés Arauz. Mas a vitória apertada, somado ao alto número de votos nulos, mostrou como Lasso capitalizou parte da rejeição ao adversário, mas não necessariamente teve um apoio direcionado à sua figura e suas propostas.

Na campanha, o presidente eleito disse que desejava abrir a economia, reduzir o tamanho do Estado, fazer acordos bilaterais, atrair investidores, reduzir impostos, investir no agronegócio e criar 2 milhões de empregos. A realidade tem se mostrado mais difícil. 

O risco do congelamento, como o Brasil dos tempos de hiperinflação sabe bem, é de que haja desabastecimento e a criação de um mercado paralelo dos produtos, a preços mais altos.

Com 18 milhões de habitantes, o Equador vive cenário de economia devastada após a pandemia, com desemprego estimado em mais de 30% e queda de 8% no produto interno bruto (PIB) em 2020.

A vacinação avançou nos últimos meses, e o país — que já chegou a ter cadáveres nas ruas nos piores momentos da pandemia — hoje tem 67% da população vacinada com uma dose e 57% completamente vacinados. 

Com o desemprego alto e caos econômico, a inflação se encontrava quase nula até julho. Mas os preços voltaram a subir com a reabertura. O preço do petróleo no mercado externo e a moeda fraca no Equador (que faz com que muito da economia seja calculada em dólar) também ajudaram a encarecer o custo de vida equatoriano, e a inflação oficial superou 1% em setembro.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também