Mundo

Em guerra com os ambientalistas, Japão lança novo 'navio-mãe' de caça às baleias

O último navio-mãe foi agressivamente perseguido na Antártida por ativistas determinados a perturbar as operações, mas o Japão construiu um navio ainda maior para substituí-lo

Lançamento do navio no Japão (Yuichi YAMAZAKI /AFP)

Lançamento do navio no Japão (Yuichi YAMAZAKI /AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 21 de maio de 2024 às 08h49.

O chef acende a grelha e besunta um robusto bife de baleia, uma iguaria japonesa que em breve poderá aparecer em mais pratos em todo o país, enquanto um novo navio-mãe de caça às baleias parte apesar das críticas dos conservacionistas.

A carne de baleia crua e gordurosa, em tons de rosa e branco, também está no cardápio do Nisshinmaru, um restaurante nomeado em homenagem ao anterior enorme navio do Japão para a captura dos mamíferos marinhos, agora aposentado após três décadas no mar.

O último navio-mãe foi agressivamente perseguido na Antártida por ativistas determinados a perturbar as operações, mas o Japão construiu um navio ainda maior para substituí-lo.

O novo navio principal, com quase 9.300 toneladas, da frota de caça às baleias do Japão partiu na terça-feira em sua primeira caçada — anunciando uma nova era para uma indústria defendida pelo governo como parte integrante da cultura japonesa.

Chamado de Kangei Maru, o navio possui "uma instalação de processamento interna onde a carne é processada antes de ser refrigerada", explicou Ryosuke Oba, o gerente do restaurante.

"Este navio é como uma fábrica. Essa é sua característica mais atraente", disse ele à AFP na cidade de Shimonoseki, que tem uma longa história de caça às baleias.

Orgulhosamente exibida na parede do restaurante está uma foto do Nisshin Maru navegando por águas geladas com a palavra "pesquisa" pintada em letras maiúsculas em seu lado.

Até o Japão se retirar da Comissão Internacional da Baleia em 2019, ele foi criticado por explorar uma brecha na moratória da CIB sobre a caça comercial de baleias que permite caças científicas.

Agora o país retomou a caça comercial de baleias em suas próprias águas, tornando-se um dos três únicos países a fazê-lo, junto com Noruega e Islândia.

'Identidade' da caça às baleias

"Por favor, capturem grandes baleias! Por favor, retornem em segurança!" disse uma carta lida por crianças pequenas que dançavam em uma cerimônia enquanto o Kangei Maru partia de Shimonoseki para uma expedição de caça de vários meses ao longo da costa nordeste do Japão.

O navio de 7,5 bilhões de ienes (48 milhões de dólares) planeja capturar cerca de 200 baleias até o final do ano.

Membros sêniores da tripulação de 100 pessoas do navio receberam buquês enquanto os familiares se despediam ao lado do navio com sua nova camada de tinta azul e branca.

"Este é um novo navio para uma nova era, simbolizando o novo período de retomada da caça comercial de baleias", anunciou Hideki Tokoro, presidente da empresa baleeira que construiu o Kangei Maru.

O Japão caça baleias-minke, de Bryde e de sei, e quer expandir a lista para incluir as baleias-fin — a segunda maior espécie animal do planeta após a baleia-azul.

"As baleias-fin podem pesar até 70 toneladas. O navio está equipado com um guincho capaz de içar uma baleia desse tamanho", disse Tokoro.

O Japão caça baleias há séculos, e a carne foi uma fonte chave de proteína nos anos após a Segunda Guerra Mundial.

Mesmo hoje em dia ela faz parte dos almoços escolares em Shimonoseki, onde uma reluzente estátua prateada de uma cauda de baleia está do lado de fora da prefeitura.

Mas nas últimas décadas, o apetite do país pela carne de baleia diminuiu drasticamente, algo que o prefeito da cidade, Shintaro Maeda, está determinado a mudar.

"Nosso maior objetivo é aumentar a demanda pela carne de baleia e conscientizar o público sobre ela", disse ele à AFP, descrevendo a caça às baleias como "parte da identidade do povo japonês".

Argumento da segurança alimentar

Kazuhiro Fujino administra uma loja de carne de baleia em Shimonoseki e tem "grandes esperanças" de que o aumento no fornecimento, e a possível captura de baleias-fin, ajudem a impulsionar as vendas.

"Nos dias de hoje, o Japão depende de importações para tudo", disse ele, então "é uma boa ideia caçar baleias para que possamos fornecer nossa própria comida".

Mas os conservacionistas contestam esse argumento, dizendo que as baleias vivem por muito tempo e se reproduzem lentamente, então não são uma fonte sustentável de alimentos.

Embora grupos de campanha tenham criticado os planos do Japão, pouco resta da fúria internacional vista há uma década, quando os baleeiros enfrentavam confrontos com ativistas na Antártida.

"A caça comercial de baleias no século 21 é injustificável. É uma prática desumana que existe puramente para o lucro de alguns", disse neste mês a World Cetacean Alliance, um grupo de campanha.

Tokoro disse que seria "muito improvável" que o Kangei Maru fosse para a Antártida para caça comercial de baleias.

"Se o fizermos, seria quando o governo nos ordenasse a garantir uma fonte de proteína devido a uma crise, devido à fome. Nesse caso, estaríamos prontos para ir a qualquer momento."

Acompanhe tudo sobre:Japão

Mais de Mundo

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Direito ao aborto é retirado da declaração do G7 por oposição da Itália

Suprema Corte dos EUA anula proibição de acessório que converte armas em metralhadoras

Israel bombardeia Gaza e tensões continuam na fronteira com o Líbano

Mais na Exame