Acompanhe:

Eletrobras quer crescer por leilões mesmo com mudança de governo

São Paulo - A Eletrobras confia na renovação das concessões do setor elétrico que expiram em 2015, garante participação nos próximos leilões de geração e transmissão e, colocando-se como uma empresa de mercado, descarta qualquer mudança na estratégia de crescimento caso o atual presidente da República não eleja seu sucessor. A estatal federal, contudo, não […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

C
Carolina Marcondes

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h38.

São Paulo - A Eletrobras confia na renovação das concessões do setor elétrico que expiram em 2015, garante participação nos próximos leilões de geração e transmissão e, colocando-se como uma empresa de mercado, descarta qualquer mudança na estratégia de crescimento caso o atual presidente da República não eleja seu sucessor.

A estatal federal, contudo, não prevê aumentar a fatia na Celg, que agora terá a gestão compartilhada com o governo de Goiás, disse seu diretor financeiro e de Relações com Investidores, Armando Casado.

"A renovação das concessões em 2015 não preocupa. Se a concessão tiver equilíbrio econômico-financeiro, qualidade dos serviços e modicidade tarifária, não tem como não renovar... Estamos reunindo todas as condicionantes, não deixamos de fazer os investimentos, não deixamos o sistema vulnerável", afirmou o executivo nesta terça-feira à Reuters, por telefone.

Em 2015, muitas concessões de energia, entre elas de estatais, terão seu prazo encerrado. Ainda não existe definição sobre nova licitação ou renovação dos contratos. A decisão ficará a cargo do próximo governo federal.

Segundo Casado, a Eletrobras não deverá ser afetada por uma eventual mudança no governo. "A companhia está no mercado, aprimorando a sua governança e atendendo à necessidade de expansão do sistema elétrico... Construímos um caminho que coloca a Eletrobras em pé de igualdade com o mercado."

Essa expansão citada pelo executivo passa pelos futuros leilões de geração e transmissão de energia. Assim, a Eletrobras garante presença no leilão de renováveis e de reserva que acontecerá em agosto, do leilão de transmissão de 3 de setembro e de outros leilões de geração, como os do rio Tapajós.

"Tudo o que vier pela frente vamos participar", disse o diretor da estatal. "Desde que tenha a rentabilidade exigida pelos acionistas", acrescentou.
 


Celg e Belo Monte

A gestão compartilhada da Celg não deverá evoluir para uma incorporação da distribuidora de Goiás, disse Casado. "Não trabalhamos com a perspectiva de aumentar a participação. Queremos ajudar a recuperar a companhia", frisou.

Em 10 de agosto, a Eletrobras anunciou um protocolo de intenções que prevê uma captação de 3,7 bilhões de reais pelo governo de Goiás junto à Caixa para liquidar dívidas e aumentar o capital da Celg.

No caso da usina de Belo Monte, Casado explicou que a estatal se comprometeu a pagar até 130 reais por megawatt-hora (MWh) por 20 por cento da energia destinada ao mercado livre --Sinobras e Gaia Participações, como autoprodutoras, têm direito aos 10 por cento restantes. "O consórcio Norte Energia tem outras ofertas, mas mantemos o nosso interesse", disse.

O diretor da Eletrobras explicou que uma das condições para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) libere o financiamento para Belo Monte é a venda garantida de energia. O banco de fomento deverá financiar até 80 por centro da obra, enquanto os 20 por cento restantes serão divididos em iguais proporções entre os componentes do consórcio.

A holding Eletrobras e suas controladas Chesf e Eletronorte possuem, juntas, 49,98 por cento do consórcio. O contrato de concessão deve ser assinado na próxima semana, disse Casado.

Leia mais sobre Eletrobras

Siga as últimas notícias de Meio Ambiente e Energia no Twitter


Últimas Notícias

Ver mais
Em 1ª privatização do governo Tarcísio, Emae é vendida por R$ 1 bilhão para fundo Phoenix
Economia

Em 1ª privatização do governo Tarcísio, Emae é vendida por R$ 1 bilhão para fundo Phoenix

Há 3 horas

Privatização da Emae, estatal de energia do governo de SP, acontece na B3 e é prévia da Sabesp
Economia

Privatização da Emae, estatal de energia do governo de SP, acontece na B3 e é prévia da Sabesp

Há 10 horas

Petz e Cobasi selam ‘fusão de iguais’ que cria gigante de R$ 7 bilhões
Exame IN

Petz e Cobasi selam ‘fusão de iguais’ que cria gigante de R$ 7 bilhões

Há 12 horas

Casa dos Ventos aposta no Brasil como protagonista da transição energética
seloApresentado por CASA DOS VENTOS

Casa dos Ventos aposta no Brasil como protagonista da transição energética

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais