Mundo

Eleições nos EUA: A 5 dias de primária na Carolina no Sul, Nikki Haley reforça contraste com Trump

Ex-presidente conta com o apoio de todos os principais líderes do estado e de todos os republicanos do Congresso

Nikki Haley em Iowa, 13 de janeiro de 2024 (Win McNamee/Getty Images)

Nikki Haley em Iowa, 13 de janeiro de 2024 (Win McNamee/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de fevereiro de 2024 às 16h06.

Última atualização em 19 de fevereiro de 2024 às 16h31.

A ex-embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas Nikki Haley está aproveitando os últimos dias antes de seu confronto contra Donald Trump nas primárias republicanas da Carolina do Sul para reforçar seu argumento de que ela é a única candidata que pode unir os americanos, apesar das vitórias eleitorais do ex-presidente até agora e de sua popularidade em seu estado natal.

É uma tarefa difícil para Haley, enquanto a Carolina do Sul se prepara para a votação no sábado. A vitória de Trump nas primárias de 2016 ajudou a consolidar o seu status como favorito e ele conta com o apoio de todos os principais líderes eleitos do estado e de todos os republicanos do Congresso, exceto um.

Mas Haley afirmou que sua capacidade de resistir na corrida, após ter sobrevivido a uma dúzia de candidatos que também tentavam ocupar o posto de representante do Partido Republicano, significa que ela faz uma aposta no longo prazo. O aumento da arrecadação de fundos poderia mantê-la em atividade, apesar de suas derrotas anteriores para Trump.

Parte do esforço de Haley é demonstrar frequentemente seu conhecimento de política externa, já que serviu como embaixadora de Trump na ONU durante dois anos. As suas aparições durante a campanha apresentam áreas em que ela diz que teria agido de forma diferente do seu antigo chefe.

Haley disse que, com certeza, pretende martelar junto aos países na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para que eles carreguem seu próprio peso, mas observou que isso se faz a portas fechadas, de acordo com comentários da candidata em uma reunião no domingo na Fox News, transmitida do centro de Colúmbia, na Carolina do Sul.

A fala foi uma referência ao alerta de Trump que disse, recentemente, que encorajaria a Rússia a fazer "o que quer que eles queiram" com qualquer país membro da Otan que sejam "delinquentes" — nações que, na sua opinião, não estão fazendo as respectivas partes na aliança. O secretário-geral da Otan disse que os ataques de Trump às alianças internacionais e à ajuda externa podem minar a segurança e colocar em risco as forças americanas e europeias.

"Devemos ter certeza de dizer aos nossos parceiros que é do interesse deles manter seu próprio peso", disse Haley no domingo. "Trump fez isso dizendo que iria encorajar Putin a invadir nossos aliados. Esse é o caminho errado", afirmou a ex-embaixadora.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:Nikki HaleyEstados Unidos (EUA)Donald TrumpJoe BidenEleições EUA 2024

Mais de Mundo

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Suprema Corte dos EUA analisa se Trump dispõe de imunidade presidencial

Mais na Exame