Mundo

Dilma oferece subsídios a agricultores pobres que preservem florestas

A Bolsa Verde é o programa de incentivos ao reflorestamento que a presidente lançou em Manaus

Dilma afirmou que o programa é eficiente porque une a garantia de renda e a manutenção da Amazônia (Presidência da República)

Dilma afirmou que o programa é eficiente porque une a garantia de renda e a manutenção da Amazônia (Presidência da República)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de setembro de 2011 às 06h59.

Rio de Janeiro - A presidente Dilma Roussef apresentou nesta quarta-feira em Manaus um programa, que vem sendo chamado de Bolsa Verde, para conceder subsídios aos agricultores pobres que mantenham a floresta em pé.

O projeto faz parte do plano de erradicação da miséria que o governo anunciou em junho passado. O Bolsa Verde prevê o pagamento de R$ 300 trimestrais aos produtores rurais que utilizem técnicas sustentáveis e evitem o desmatamento de suas propriedades.

"O Bolsa Verde significa o reconhecimento de que a preservação da floresta é algo fundamental, que vai contribuir para a melhoria de nosso modelo de crescimento", declarou Dilma.

A presidente afirmou que o programa é eficiente porque une a garantia de renda e a manutenção da Amazônia. O plano de erradicação da miséria pretende tirar 16,5 milhões de pessoas da pobreza extrema. Atualmente, vivem na Região Amazônica cerca de 25 milhões de habitantes.

O aumento do desmatamento na floresta nos últimos meses colocou em alerta o governo, que no último mês de maio instituiu um gabinete de crise para aumentar a fiscalização na região.

Acompanhe tudo sobre:AmazôniaDilma RousseffGoverno DilmaMeio ambientePersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPreservação ambientalPT – Partido dos TrabalhadoresReflorestamento

Mais de Mundo

Assange será um 'homem livre' após audiência em tribunal americano, afirma esposa

Quem é Julian Assange, fundador do Wikileaks que vai se declarar culpado nos EUA?

Como andam as chances de Biden desistir da disputa eleitoral?

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, vai se declarar culpado; entenda

Mais na Exame