Mundo

Dilma justifica juro e diz que não será complacente com inflação

Segundo a ex-ministra, a taxa de juros, que passou para 9,5 por cento ao ano, não vai prejudicar o nível de crescimento da economia brasileira

Dilma avaliou que não haverá malabarismos durante a campanha eleitoral (.)

Dilma avaliou que não haverá malabarismos durante a campanha eleitoral (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h36.

São Paulo - A pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, defendeu nesta quinta-feira a decisão do Copom de elevar a taxa de juro básica da economia em 0,75 ponto percentual e disse que não será complacente com a inflação.

"Você não pode ter inflação, mas estabilidade de preços. E isso significa que nós não vamos ser complacentes com a inflação em momento nenhum. Esse compromisso é o meu também", afirmou Dilma em entrevista durante a Feira Internacional de Tecnologia Agrícola (Agrishow), em Ribeirão Preto (SP), a qual foi reproduzida por seu portal de campanha.

Segundo a ex-ministra, a taxa de juros, que passou para 9,5 por cento ao ano, não vai prejudicar o nível de crescimento da economia brasileira.

Dilma avaliou que não haverá malabarismos durante a campanha eleitoral. "Ninguém vai fazer malabarismos para ganhar a eleição. O Brasil está maduro. Diante do momento eleitoral, é preciso agir com coragem e transparência."

Acompanhe tudo sobre:Dilma RousseffEleiçõesEleições 2010Partidos políticosPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Mundo

Ataque aéreo de Israel a Rafah após novo ataque do Hamas deixa ao menos 35 mortos

Doze pessoas ficam feridas por conta de turbulência durante voo da Qatar Airways

Tornados e tempestades deixam ao menos 14 mortos no sul dos EUA

Arábia Saudita nomeia primeiro embaixador na Síria desde 2012

Mais na Exame