Mundo

Diabetes causa uma morte a cada dez segundos em todo o mundo

Segundo a OMS, metade das pessoas não sabe que tem diabetes

Os sinais mais comuns são a sede excessiva, a perda de peso, a fome exagerada, a vontade de urinar muitas veze e, a difícil cicatrização de feridas (Francois Guillot/AFP)

Os sinais mais comuns são a sede excessiva, a perda de peso, a fome exagerada, a vontade de urinar muitas veze e, a difícil cicatrização de feridas (Francois Guillot/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de novembro de 2011 às 08h13.

Brasília – Estima-se que haja, pelo menos, 300 milhões de pessoas com diabetes em todo o mundo, e no Brasil, são cerca de 11 milhões de portadores, segundo dados do Ministério da Saúde e de sociedades médicas.

No Dia Mundial do Diabetes, lembrado hoje (14), o foco da campanha global, pelo terceiro ano seguido, é orientar a população para prevenir a doença, que mata uma pessoa a cada dez segundos no mundo - conforme estatística da Federação Internacional de Diabetes, ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

O desconhecimento sobre o que é a doença, os sintomas e o tratamento tem sido um dos obstáculos para conter essa epidemia global. A própria federação internacional estima que metade das pessoas não sabe que tem diabetes.

Apesar de muitos brasileiros terem um parente ou amigo com a doença, parte deles não sabe como evitá-la. “Muitos têm contato, mas não conseguem ajudar a pessoa próxima [com a doença]. E ficam incapazes de prevenir nelas mesmas”, alerta o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, Walter Minicucci.

O diabetes tipo 2, que atinge mais pessoas, ocorre quando há aumento da taxa de açúcar (glicose) no sangue. Os sinais mais comuns são a sede excessiva, a perda de peso, a fome exagerada, a vontade de urinar muitas vezes, a difícil cicatrização de feridas, a visão embaçada, o cansaço e infecções frequentes. Alguns dos fatores de risco são a obesidade, o sedentarismo e o histórico familiar com casos da doença.

A prática de exercícios físicos e a alimentação equilibrada ajudam a evitar o diabetes tipo 2, que não tem cura.

Quando o diabetes não é tratado, aumenta o risco de o paciente ter um ataque cardíaco, ficar cego ou sofrer amputação de uma perna.

Acompanhe tudo sobre:DiabetesDoençasOMS (Organização Mundial da Saúde)

Mais de Mundo

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Suprema Corte dos EUA analisa se Trump dispõe de imunidade presidencial

Mais na Exame