Acompanhe:

Desaparecimento de voo da Malaysia é inaceitável, diz relatório

A Austrália divulgou um documento final sobre o misterioso desaparecimento do voo MH370, com 239 pessoas a bordo, em 2014

Modo escuro

Continua após a publicidade
Desaparecimento: a Austrália vasculhou uma área de 120 mil km² no Oceano Índico, nas margens ocidentais da Austrália, sem encontrar o avião (AFP/Getty Images)

Desaparecimento: a Austrália vasculhou uma área de 120 mil km² no Oceano Índico, nas margens ocidentais da Austrália, sem encontrar o avião (AFP/Getty Images)

E
EFE

Publicado em 3 de outubro de 2017 às, 06h45.

Sydney - O desaparecimento do voo MH370, da Malaysia Airlines com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, é "quase inconcebível" e "socialmente inaceitável na aviação moderna", segundo o relatório final publicado nesta terça-feira na Austrália.

O documento elaborado pelo Escritório Australiano de Segurança no Transporte (ATSB, sigla em inglês), que lidera a busca na qual também participam a China e Malásia, expressou sua "profunda tristeza por não ter localizado o avião, nem tampouco as 239 vítimas que estavam a bordo e que seguem desaparecidas".

O relatório fornece detalhes da busca pelo MH370 e o trabalho realizado pela Austrália no rastreamento submarinho em uma área de 120 mil km² no Oceano Índico, nas margens ocidentais da Austrália, sem encontrar o avião.

"É um esforço sem precedentes e houve uma resposta extraordinária da comunidade global", destacou em um comunicado da ATSB, Greg Hood, ao destacar os altos padrões e profissionalismo envolvidos no trabalho.

Em meados de agosto, relatórios da Geoscience Austrália e a Organização para a Investigação Industrial e Científica do Consórcio de municípios da Austrália (CSIRO, sigla em inglês) sugeriram que o avião está em uma área de 25 mil km² do Oceano Índico ao norte de onde inicialmente foi procurado.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu dos radares no dia 8 de março de 2014, 40 minutos após sua decolagem em Kuala Lumpur, seguindo para Pequim, e depois que alguém apagasse os sistemas de comunicação e virasse a aeronave, segundo a investigação oficial.

Ne viajavam 239 pessoas, delas 154 cidadãos chineses, 50 malaios (12 formavam a tripulação), sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois canadenses, dois iranianos, dois neozelandeses, dois ucranianos, um holandês e um russo.

Os especialistas determinaram com os dados disponíveis que o avião caiu em uma área remota do Índico e foi buscado em uma área de 120 mil km², mas sem sucesso.

A recuperação de partes do MH370 em Moçambique, África do Sul, Ilhas Mauricio, Reunião (França) e Pemba (Tanzânia), conforme confirmado por testes de laboratório, mostraram que o avião caiu e desenvolveu novas hipóteses.

A busca no terreno foi suspensa no dia 17 de janeiro, até que aparecessem provas sólidas que permitissem a retomada das operações.

Últimas Notícias

Ver mais
Trump declara apoio à fertilização in vitro após Corte decidir que embriões congelados são crianças
Mundo

Trump declara apoio à fertilização in vitro após Corte decidir que embriões congelados são crianças

Há 14 horas

Greve mantém Torre Eiffel fechada na manhã de sábado
Mundo

Greve mantém Torre Eiffel fechada na manhã de sábado

Há 15 horas

Manifestações na Argentina reivindicam assistência alimentar
Mundo

Manifestações na Argentina reivindicam assistência alimentar

Há 16 horas

Autoridades russas ameaçam enterrar Navalny na prisão onde morreu, afirma oposição
Mundo

Autoridades russas ameaçam enterrar Navalny na prisão onde morreu, afirma oposição

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais