Mundo

Cuba terá referendo para nova Constituição em fevereiro de 2019

A atualização da Constituição cubana que começou em 2 de junho será aprovada através de um referendo, no dia 24 de fevereiro de 2019

A nova constituição pode admitir a importância do investimento estrangeiro (Spencer Platt/Getty Images)

A nova constituição pode admitir a importância do investimento estrangeiro (Spencer Platt/Getty Images)

E

EFE

Publicado em 10 de agosto de 2018 às 12h25.

Havana - O referendo nacional para aprovar a nova Constituição de Cuba será realizado em 24 de fevereiro de 2019, informou a televisão estatal da ilha, onde na próxima segunda-feira será iniciada a consulta do projeto de Carta Magna, que terá três meses de duração.

"Os jovens têm um desafio muito importante que é se preparar para participar do processo de consulta da nossa Constituição e do apoio incondicional em 24 de fevereiro", afirmou o major das Forças Armadas Lázaro Arronte em um comunicado transmitido pela televisão, no qual informou sobre o cronograma de reforma constitucional.

A data escolhida tem um simbolismo grande no país caribenho: é a efeméride do início da guerra independentista de 1895, organizada pelo herói nacional cubano José Martí, e o dia em que foi proclamada a Carta Magna vigente desde 1976.

Liderada pelo ex-presidente e líder do governante Partido Comunista de Cuba (PCC, único), Raúl Castro, a último etapa do processo de atualização da Constituição cubana começou em 2 de junho.

O projeto, publicado em julho após dois dias de debates na Assembleia Nacional (Parlamento unicameral), propõe mudanças "substanciais, segundo o presidente Miguel Díaz-Canel.

Entre elas figuram o reconhecimento da propriedade privada e a eliminação do termo "comunismo", embora seja ratificado o papel do PCC como máximo poder na ilha, por isso que a reforma não implicará em mudanças substanciais no atual sistema político.

Também admite a importância do investimento estrangeiro, introduz as figuras de presidente da República e primeiro-ministro, proíbe a discriminação por conceito de gênero e abre as portas aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Na ilha já foram vendidos mais de 500 mil exemplares da minuta da nova Constituição em formato papel, e sua versão digital está disponível para download gratuito em várias sites oficiais cubanas.

Na próxima segunda-feira, em coincidência com o aniversário do falecido ex-presidente Fidel Castro (1926-2016), começará a consulta popular na qual é esperada a participação da grande maioria dos mais de 11 milhões de moradores do país.

Os cerca de 1,4 milhão de cubanos residentes em 120 países, a maioria nos Estados Unidos e na Espanha, terão pela primeira vez a possibilidade de enviar sugestões e opiniões durante os três meses de duração dos debates, embora não tenha especificado se também poderão votar no referendo em fevereiro.

Acompanhe tudo sobre:CubaPolíticaReferendo

Mais de Mundo

Quer mudar de país? Veja os destinos mais procurados no mundo

Família é infectada por vermes após comer carne de urso nos EUA

Netanyahu reconhece 'erro trágico' em ataque que deixou pelo menos 45 mortos em Rafah

Coreia do Norte lança míssil ao mar, dizem Japão e Coreia do Sul

Mais na Exame