Mundo

Crime organizado gera US$ 119 bi por ano no mundo

Só o tráfico de cocaína e heroína rende US$ 105 bilhões ao ano

Novos tráficos estão se desenvolvendo, como o de medicamentos (Orlando Sierra/AFP)

Novos tráficos estão se desenvolvendo, como o de medicamentos (Orlando Sierra/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de outubro de 2010 às 15h56.

Viena - O crime organizado gera cerca de 119 bilhões de dólares por ano no mundo, sendo o tráfico de drogas o mais lucrativo, informou nesta segunda-feira o Escritório das Nações Unidas de luta contra o narcotráfico e o crime organizado (UNODC).

O crime organizado aumentou "até tomar proporções mundiais", declarou o diretor da UNODC Yuri Fedotov em um comunicado difundido por ocasião da abertura da reunião da Convenção de Palermo contra o Crime Organizado.

A cocaína e a heroína rendem 105 bilhões de dólares por ano, segundo um relatório anual da UNODC, sediado em Viena.

O tráfico de seres humanos, imigrantes ou profissionais do sexo gera para as organizações criminosas quase 10 bilhões de dólares.

Novos tráficos estão se desenvolvendo, como o comércio ilegal de recursos naturais (3,5 bilhões de dólares), contrabando de medicamentos (1,6 bilhões de dólares), ou a cibercriminalidade (1 bilhão de dólares).

Segundo Fedotov, a Convenção de Palerma, que visa a facilitar a cooperação entre polícia e justiça para lutar contra o crime organizado, é um instrumento poderoso, mas não utilizado suficientemente.

"Nós temos também necessidade de uma resposta global que reforça a resistência ao crime organizado em seus locais de origem, ao longo das rotas do tráfico e nos destinos finais dos bens ilegais", declarou ainda Fedotov.

Os 157 Estados que ratificaram a Convenção de Palerma de luta contra o crime organizado transnacional, adotada em 2000, se reunirão até a sexta-feira em Viena para fazer um balanço da aplicação deste acordo.

Acompanhe tudo sobre:ONUPolícia FederalPrisões

Mais de Mundo

Suprema Corte dos EUA vai avaliar lei que proíbe tratamento hormonal para menores transexuais

Rússia ameaça EUA com 'consequências' após ataque ucraniano na Crimeia

Ex-baixista do Nirvana anuncia candidatura à presidência dos Estados Unidos

Princesa Anne, irmã do rei Charles III, é internada após acidente com cavalo

Mais na Exame