Acompanhe:

Colômbia atingiu novo recorde de cultivo de drogas e produção de cocaína em 2022

Até 2021, o país tinha 204 mil hectares de plantações de coca, 43% mais que o ano anterior

Modo escuro

Continua após a publicidade
Colômbia: houve crescimento da fabricação de drogas que saem do país, principalmente para Estados Unidos e Europa (Agence France-Presse/AFP)

Colômbia: houve crescimento da fabricação de drogas que saem do país, principalmente para Estados Unidos e Europa (Agence France-Presse/AFP)

A Colômbia, o maior produtor mundial de cocaína, aumentou as colheitas de folhas de coca em quase 13% em 2022, atingindo um recorde de 230 mil hectares, de acordo com um relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Undoc) publicado nesta segunda-feira, 11.

Até 2021, o país tinha 204 mil hectares de plantações de coca, 43% mais que o ano anterior. Embora tenha registrado desaceleração no crescimento do último período, o número é o mais alto registrado pela ONU desde que a organização começou a monitorar esta produção em 2001.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

Junto com as plantações, cresceu a fabricação de drogas que saem da Colômbia, principalmente para Estados Unidos e Europa. De 1,4 mil toneladas de cocaína, o país passou a produzir 1.738 toneladas.

Esta tendência de crescimento vem se consolidando desde 2014, apesar da perseguição ao tráfico de drogas ao longo de cinco décadas com o apoio financeiro de Washington e o acordo de paz com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em 2016.

Quase metade destes cultivos (49%) está localizada em comunidades negras e reservas florestais e indígenas, de acordo com o relatório.

Assim, a Colômbia continua a ser, de longe, o maior cultivador da folha de coca do mundo, à frente do Peru e da Bolívia. Os Estados Unidos, que historicamente financiaram a luta antidrogas, são o maior consumidor de cocaína colombiana.

Segundo o relatório, "77% do aumento líquido se concentrou em Putumayo (cerca de 20 mil hectares)", perto da fronteira com o Equador, um país cada vez mais atingido pela violência ligada ao tráfico de drogas.

Fracasso

O presidente colombiano, Gustavo Petro, denunciou o "fracasso" da luta antidrogas e pediu aos EUA que definam uma nova abordagem baseada na prevenção do consumo nas economias desenvolvidas.

Segundo o Ministério da Justiça, de 2012 a 2022, mais de 840 mil hectares de coca foram erradicados à força, mas a área plantada aumentou 327%.

No sábado, Petro liderou uma cúpula sobre o assunto com representantes de 20 países latino-americanos, incluindo o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, com quem chegou a um acordo para exigir ao mundo uma mudança que envolva um tratamento abrangente da luta contra as drogas.

Segundo os presidentes de esquerda, a repressão enriquece as máfias, provoca mais violência e não ataca o consumo nas grandes potências nem a pobreza em que estão incubadas as organizações da droga.

"A política chamada guerra às drogas fracassou. Não serve", afirmou Petro na Conferência Latino-americana e do Caribe sobre Drogas.

Apesar do desarmamento das Farc, persiste na Colômbia uma guerra que coloca rebeldes, traficantes de drogas, paramilitares e agentes estatais uns contra os outros. Enquanto isso, os grupos armados se multiplicaram, financiados pelo tráfico de drogas, a mineração ilegal e a extorsão.

O primeiro presidente de esquerda na história do país defende uma política de "paz total" para neutralizar o conflito prolongado através do diálogo com todos os intervenientes ilegais.

Em 50 anos, a violência na Colômbia deixou 9 milhões de vítimas, a maioria delas deslocadas.

O ministro da Justiça, Néstor Osuna, por sua vez, garantiu nesta segunda-feira em entrevista à Blu Radio que é um momento "estratégico" para mudar uma abordagem "holística" na luta contra os cultivos de drogas, sobretudo em um momento de ascensão do fentanil, um opioide até 50 vezes mais forte que a heroína, que mata quase 200 pessoas por dia nos EUA, segundo dados oficiais.

A nova política do governo consiste em oferecer aos agricultores, "em sua maioria pobres", outras alternativas: continuar a cultivar coca, mas para fins legais, como a fabricação de cosméticos, têxteis, alimentos etc.; estar vinculado a um projeto comunitário e não individual para uma mudança de economia nas regiões produtoras de coca; ou "que passem de cocaleiros a guardas florestais" em áreas protegidas e recebam um salário por cuidar do meio ambiente, explicou Osuna.

Até ao final do seu mandato, em 2026, o governo pretende reduzir a produção de cocaína para 900 toneladas, diminuindo também os hectares de folha de coca em 40%, para cerca de 150 mil hectares.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
ELN libertou 26 reféns desde dezembro, anuncia governo da Colômbia
Mundo

ELN libertou 26 reféns desde dezembro, anuncia governo da Colômbia

Há um dia

Presidente da Colômbia apoia Lula em disputa com Israel
Mundo

Presidente da Colômbia apoia Lula em disputa com Israel

Há uma semana

Por que este estado americano está reconsiderando legalizar certas drogas?
Mundo

Por que este estado americano está reconsiderando legalizar certas drogas?

Há uma semana

Petro, da Colômbia, defende Lula após declarações sobre a Faixa de Gaza
Mundo

Petro, da Colômbia, defende Lula após declarações sobre a Faixa de Gaza

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais