Mundo

Boris Johnson impõe "Plano B" na Inglaterra para conter ômicron

Primeiro-ministro britânico ordenou que as pessoas trabalhem em casa, usem máscaras em locais públicos e apresentem seus passaportes vacinais

O ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson retornou neste sábado a Londres após um período de férias, em meio aos rumores de uma candidatura para voltar a ocupar o posto de chefe de Governo após a renúncia de Liz Truss. (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

O ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson retornou neste sábado a Londres após um período de férias, em meio aos rumores de uma candidatura para voltar a ocupar o posto de chefe de Governo após a renúncia de Liz Truss. (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 8 de dezembro de 2021 às 17h35.

Última atualização em 8 de dezembro de 2021 às 17h49.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, impôs nesta quarta-feira restrições mais rigorosas contra a covid-19 na Inglaterra, ordenando que as pessoas trabalhem em casa, usem máscaras em locais públicos e apresentem passes de vacinas para retardar a propagação da variante ômicron do coronavírus.

Criticado por acusações de que sua equipe fez uma festa de Natal em Downing Street durante o lockdown da covid no ano passado, Johnson disse que a ômicron está se espalhando rapidamente e que não tem outra escolha senão mudar para o "Plano B" para ganhar tempo e conseguir mais munição contra a variante.

Quais são os maiores desafios da ciência? Descubra ao assinar a EXAME: menos de R$ 11/mês

Embora ainda estejam muito longe dos fechamentos totais que afetaram a economia no início da pandemia, as novas medidas podem cortar os visitantes de restaurantes, cafés e lojas antes do Natal e impor um novo golpe nas finanças do Reino Unido.

"Embora o quadro possa melhorar, e espero sinceramente que melhore, sabemos que a lógica... do crescimento exponencial pode levar a um grande aumento das hospitalizações e, portanto, infelizmente, das mortes", disse Johnson em entrevista coletiva.

Johnson, que retirou a maioria das restrições da covid na Inglaterra em julho, prometeu atravessar o inverno sem recorrer a um quarto lockdown da covid-19, mas manteve um chamado "Plano B" na reserva.

Parte dessas medidas, como a reintrodução de máscaras no transporte público e nas lojas, já havia sido adotada, mas nesta quarta-feira Johnson disse que as pessoas também deveriam agora trabalhar de casa se puderem.

O Reino Unido já registrou mais de 145.000 mortes por covid-19 durante a pandemia.

Um rápido início do programa de vacinas ajudou desde então a conter o impacto e, nos últimos meses, os casos se mantiveram estáveis em cerca de 43.000 infecções diárias e 135 mortes depois que Johnson levantou a maioria das restrições na Inglaterra.

Mas o surgimento da variante ômicron colocou os governos no limite em todo o mundo. O Reino Unido registrou 568 casos confirmados de ômicron até o momento.

Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte determinam suas próprias restrições em relação à covid e já definiram regras mais rígidas.

Acompanhe tudo sobre:Boris JohnsonInglaterraReino Unido

Mais de Mundo

Procurador do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Netanyahu e líder do Hamas

Vice-presidente Lai assume a presidência de Taiwan e pede o fim da 'intimidação" chinesa

Presidente Luis Abinader declara vitória em eleição da República Dominicana

A nova variante da covid-19 que vem preocupando os americanos

Mais na Exame