Mundo

Boric protesta junto à Argentina após acusação de presença do Hezbollah no Chile

Ministra da Segurança argentina, Patricia Bullrich, afirmou haver presença do movimento libanês em território chileno

Gabriel Boric: presidente do Chile enviou uma nota de protesto à Argentina (Sebastián Vivallo Oñate / Agencia Makro/Getty Images)

Gabriel Boric: presidente do Chile enviou uma nota de protesto à Argentina (Sebastián Vivallo Oñate / Agencia Makro/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 17 de abril de 2024 às 07h17.

O presidente do Chile, Gabriel Boric, anunciou nesta terça-feira, 16, o envio à Argentina de uma nota de protesto, após as declarações da ministra da Segurança argentina, Patricia Bullrich, que afirmou haver presença do movimento libanês Hezbollah em território chileno.

Se a ministra "possui antecedentes sérios, que os entregue nas instâncias correspondentes e à Justiça, e que se comunique por meio da chancelaria", disse Boric em entrevista a uma rádio. "Enviaremos uma nota de protesto por meio da chancelaria. Aqui exijo respeito ao nosso país."

Bullrich informou à imprensa de seu país os lugares próximos da Argentina onde haveria a presença do Hezbollah, grupo acusado do atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994. Além da Tríplice Fronteira, "também se observou nos últimos tempos sua presença em Iquique, ao norte do Chile, no ano passado em São Paulo e há poucas semanas no Peru", declarou.

O presidente chileno ressaltou a importância de as autoridades serem "responsáveis em suas declarações e afirmações. O Chile não protege nenhum grupo terrorista".

A ministra chilena do Interior, Carolina Tohá, garantiu mais cedo que os chilenos podem ficar tranquilos: "Nossos sistemas policiais e de inteligência estão sempre alertas nesse assunto. Neste momento, o Chile não tem ameaças de ataques do Hezbollah".

O subsecretário adjunto para a América Latina e o Caribe do Departamento de Estado americano, Mark Wells, afirmou na semana passada que os Estados Unidos "estão muito preocupados" com as atividades do Hezbollah no Chile e no restante da América Latina.

Acompanhe tudo sobre:ChileArgentinaHezbollah

Mais de Mundo

Israel autoriza retomada das negociações para obter a libertação dos reféns em Gaza

A corrida contra o tempo de Rishi Sunak para as eleições britânicas

EUA e Ucrânia acusam Rússia de usar gás tóxico proibido, revela WSJ

Alemanha diz que vai prenderá Netanyahu se houver ordem do Tribunal Penal Internacional

Mais na Exame