Mundo

Biden: Esperamos não estender esforços em Cabul depois de 31 de agosto

Presidente americano fez coletiva de imprensa neste domingo, na Casa Branca. Segundo Biden, 28.000 pessoas já foram evacuadas de Cabul

O presidente americano Joe Biden: expectativa de retirar tropas estacionadas no Afeganistão até 31 de agosto (Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente americano Joe Biden: expectativa de retirar tropas estacionadas no Afeganistão até 31 de agosto (Kevin Lamarque/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de agosto de 2021 às 18h49.

Última atualização em 22 de agosto de 2021 às 19h29.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que espera não estender os esforços em Cabul para depois do dia 31 de agosto. Ele afirmou que o governo está ciente dos riscos relativos a possíveis intentos do grupo terrorista Estado Islâmico.

"Sabemos que terroristas podem tentar se aproveitar da situação, mantemos constante vigilância", disse. A respeito de possíveis sanções ao Taleban - grupo que tomou o poder no Afeganistão -, o presidente afirmou que isso "depende da conduta deles".

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, considerou ontem "impossível" evacuar todos os colaboradores afegãos das potências ocidentais antes de 31 de agosto. Organizações de defesa dos direitos humanos também pediram a Biden que prorrogue o prazo para a retirada de seu país do Afeganistão.

Um total de 28.000 pessoas foram evacuadas desde 14 de agosto, disse o presidente dos Estados Unidos neste domingo. “É uma operação incrível. Estamos trabalhando duro e o mais rapidamente possível para retirar as pessoas.”

Biden disse que a operação teria sido "difícil e dolorosa" mesmo se tivesse sido iniciada um mês antes. "Fizemos uma série de mudanças, incluindo a ampliação do acesso ao aeroporto e à zona de segurança", informou o democrata, sem dar detalhes.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Acompanhe tudo sobre:AfeganistãoGoverno BidenTalibã

Mais de Mundo

"Estamos preparados para governar a França", diz candidato da extrema-direita e líder nas pesquisas

Com morte de Ebrahim Raisi, eleições no Irã acontecem nesta semana: por que elas são importantes?

Taxas de fecundidade em queda põem em xeque políticas por mais filhos no Japão

Mais na Exame