Mundo

Avião com 66 passageiros desaparece entre Paris e Cairo

A fonte da aviação civil da Grécia disse que a última comunicação com o piloto do voo da EgyptAir ocorreu três minutos antes de o aparelho cair.


	O vice-presidente da EgyptAir, Ahmed Abdel, disse à CNN que o avião não fez qualquer chamada de emergência.
 (Mohamed Abd El Ghany / Reuters)

O vice-presidente da EgyptAir, Ahmed Abdel, disse à CNN que o avião não fez qualquer chamada de emergência. (Mohamed Abd El Ghany / Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de maio de 2016 às 06h27.

Um avião da EgyptAir desapareceu dos radares na noite dessa quarta-feira (18), quando fazia a ligação entre Paris e o Cairo. Uma fonte aeroportuária grega disse à agência France Presse (AFP) que o avião caiu próximo à ilha grega de Karpathos, no Mediterrâneo, no espaço aéreo egício.

O voo MS804 da Egyptair transportava 66 passageiros, entre eles um português, 15 franceses, um britânico e um canadense.

“O avião entrou no espaço aéreo egípcio, desapareceu do radar grego e caiu a cerca de 130 milhas da ilha de Karphatos”, disse a mesma fonte à AFP.

A fonte da aviação civil da Grécia disse também que a última comunicação com o piloto do voo da EgyptAir ocorreu três minutos antes de o aparelho cair, acrescentando que não foi recebida qualquer mensagem de alerta.

O ministro da Defesa da Grécia informou que dois aviões de resgate e uma fragata da Marinha foram enviados para a região.

O voo partiu do Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, ontem à noite e deveria chegar ao Aeroporto Internacional do Cairo na madrugada de hoje. Operações de busca estão sendo feitas no Mediterrâneo, envolvendo as Forças Armadas egípcias, com a ajuda da Grécia.

O vice-presidente da EgyptAir, Ahmed Abdel, disse à CNN que o avião não fez qualquer chamada de emergência.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviao

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame