Acompanhe:

As autoridades russas ameaçam enterrar Alexei Navalny no terreno da colônia penal do Ártico onde morreu, afirmou, nesta sexta-feira, a equipe do opositor. Os apoiadores do líder da oposição russa acusam os investigadores de quererem impor um funeral sigiloso.

Mais de 20 personalidades do mundo da cultura da Rússia, críticas ao Kremlin, pediram às autoridades que entreguem o corpo de Navalny a seus familiares, que o reivindicam desde que morreu, há uma semana.

"Há uma hora, um investigador ligou para a mãe de Alexei e deu-lhe um ultimato. Ou ela concorda com um funeral secreto sem despedida pública dentro de 3 horas, ou Alexei será enterrado em uma colônia. Ela se recusou a negociar com o Comitê de Investigação porque eles não têm autoridade para decidir como e onde ela deveria enterrar seu filho", escreveu na rede X, antigo Twitter, Kira Yarmish, a porta-voz de Navalny.

Yarmish afirmou, ainda, que a mãe do opositor, Liudmila Navalnaya, continuava pedindo às autoridades que lhe entreguem o corpo do filho e que autorizem um funeral público. Nesta quinta-feira, Navalnaya afirmou que, enfim, conseguiu ver o corpo de Alexei e denunciou "chantagens" para forçá-la a realizar um enterro "em segredo".

"Ela exige o cumprimento da lei, que obriga os investigadores a entregar o corpo no prazo de dois dias a partir do apuramento da causa da morte. De acordo com os documentos médicos que ela assinou, esses dois dias expiram amanhã. Ela insiste que as autoridades permitam que o funeral e a cerimônia fúnebre sejam realizados de acordo com os costumes", acrescentou Yarmish, na publicação

O círculo próximo de Navalny acusa as autoridades russas de terem matado o opositor na prisão e de tentarem impedir uma cerimônia pública para evitar qualquer manifestação de apoio. Um funeral público poderia, teoricamente, mobilizar seus apoiadores.

Em 2010, antes de a máquina de repressão se abater sobre ele, Navalny mobilizava multidões, especialmente em Moscou, o que o fez ganhar o status de opositor número 1 do presidente russo, Vladimir Putin.

Nesta sexta-feira, sua equipe pediu à polícia, ao exército e aos serviços de segurança que lhes deem qualquer informação sobre o "assassinato" de Navalny. Em troca, "prometemos uma recompensa de 20 mil euros e a organização de sua saída do país, se assim desejar", informou a oposição. A quantia é equivalente a R$ 106 mil.

"Não importa seu status ou se compartilha das opiniões políticas de Alexei Navalny. Há princípios humanos fundamentais: não podem abusar de uma mãe e chantageá-la com o corpo de seu filho assassinado", escreveu sua equipe no Telegram.

Putin "teme" Navalny

O círculo próximo do ativista anticorrupção, que morreu na semana passada em uma colônia penal no Ártico em circunstâncias que não foram esclarecidas, divulga desde a noite de quinta-feira pelas redes sociais os apelos de numerosas personalidades da cultura.

Entre eles, o ganhador do Prêmio Nobel da Paz, o jornalista Dmitri Muratov, o diretor de cinema Andrei Sviaguintsev, o escritor Viktor Shenderovich e a ativista da banda punk contestatária Pussy Riot, Nadejda Tolokonnikova.

"Putin temeu Navalny por muitos anos e continua temendo-o após a sua morte. Depois de matá-lo, ainda o teme", avaliou Shenderovich, que foi catalogado pelas autoridades russas como "agente estrangeiro" por suas críticas à ofensiva na Ucrânia.

Na semana passada, centenas de pessoas foram detidas pela polícia na Rússia por homenagear o principal opositor de Putin, que ainda não comentou o falecimento publicamente.

Os governos ocidentais também apontaram o Kremlin como responsável por sua morte.

Nesta sexta-feira, os Estados Unidos anunciaram uma nova rodada de sanções contra a Rússia desde a invasão da Ucrânia, há dois anos, e em resposta à morte de Navalny.

Três funcionários públicos russos estão entre os sancionados por seu envolvimento, anunciou o Departamento de Estado.

Uma destas pessoas é Valery Boyarinev, vice-diretor do serviço penitenciário federal russo que administra a remota prisão no Ártico onde Navalny morreu.

"As novas restrições são uma nova tentativa desavergonhada e cínica de ingerência nos assuntos internos da Rússia", reagiu o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoli Antonov, citado pela agência estatal Tass.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Putin critica conferência sobre Ucrânia e diz que não aceitará plano de paz forçado
Mundo

Putin critica conferência sobre Ucrânia e diz que não aceitará plano de paz forçado

Há 15 horas

Rússia ataca Ucrânia com mais de 40 drones e 40 mísseis, denuncia presidente Ucraniano
Mundo

Rússia ataca Ucrânia com mais de 40 drones e 40 mísseis, denuncia presidente Ucraniano

Há um dia

AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana
Mundo

AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana

Há 2 dias

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas
Mundo

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais