Acompanhe:

Argentina consegue 66% de adesão na troca da dívida

Buenos Aires - A Argentina conseguiu uma aceitação de 66% na segunda etapa de sua troca de títulos em moratória, e estima que esteja se aproximando de uma saída para o maior default da história, de 90 bilhões de dólares. "Ingressaram nesta etapa da troca 12,067 bilhões de dólares, o que implica uma adesão de […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
Amado Boudou, ministro da Economia da Argentina (AFP/Daniel Garcia)

Amado Boudou, ministro da Economia da Argentina (AFP/Daniel Garcia)

D
Da Redação

Publicado em 23 de junho de 2010 às, 17h54.

Buenos Aires - A Argentina conseguiu uma aceitação de 66% na segunda etapa de sua troca de títulos em moratória, e estima que esteja se aproximando de uma saída para o maior default da história, de 90 bilhões de dólares.

"Ingressaram nesta etapa da troca 12,067 bilhões de dólares, o que implica uma adesão de 66%, muito superior às expectativas do governo", anunciou nesta quarta-feira o ministro da Economia, Amado Boudou em coletiva de imprensa.

O funcionário explicou que se aos 66% da operação recente encerrada na terça-feira se somar a primeira etapa da troca realizada em 2005, durante o governo de Néstor Kirchner (2003-2007), o nível de aceitação alcança 92,4% do total dos títulos em default desde 2001.

O governo de Cristina Kirchner, mulher e sucessora de Néstor Kirchner, estimava um piso de 60% de adesão quando lançou a mais recente etapa da troca da dívida, em meados de abril passado, pouco antes de explodir a crise econômica na Europa, onde está a maioria dos detentores de títulos.

No recente segmento, estavam envolvidos 20 bilhões de dólares, mas a operação soma cerca de 30 bilhões de dólares caso sejam computados em torno de 9 bilhões de dólares em juros acumulados desde 2005.

A presidente Cristina Kirchner destacou posteriormente em um ato na Casa Rosada que o nível de armotização sobre os 12,067 bilhões de dólares reestruturados durante os últimos dois meses foi de 75,6% e, contente, disse que esta quarta-feira deveria ser declarada "dia do desendividamento".

Em coletiva de imprensa, Boudou disse que no governo há "otimismo para fechar definitivamente" a etapa de renegociação da dívida em default declarado em 2001, que deixou a Argentina fora dos mercados internacionais.

A Argentina mantém uma dívida com o Clube de Paris de 7,5 bilhões de dólares, apesar de o ministro ter sugerido que não é iminente uma negociação com esse órgão integrado por países europeus, Estados Unidos e Japão.

"Vamos trabalhar para resolver a dívida com o Clube de Paris. Mas buscaremos o momento que for mais conveniente para o país", enfatizou o ministro.

Boudou disse que a recente operação de troca não será reaberta e afirmou que "ficou uma porção muito pequena dos credores que foram hostis à proposta da Argentina", sendo a maioria os chamados fundos abutres, que compraram bônus do país sul-americanos a baixíssimos preços quando a moratória foi declarada, há 9 anos.

Nenhum fundo abutre, que reúnem em conjunto em torno de 4,5 bilhões de dólares em títulos argentinos, entrou na operação, disse o ministro.

Segundo afirmou, nesta etapa ingressaram na operação 100% dos detentores majoritários que tinham títulos argentinos inadimplentes e em torno de 112.000 detentores do segmento minoritário por um montante médio de 22.300 dólares cada um.

Os detentores de bônus estão concentrados em Estados Unidos, Itália, Luxemburgo, França, Japão e Alemanha.

O primeiro segmento da troca, lançada em 2005, tinha conseguido um nível de adesão de 76% sobre um total de cerca de 90 bilhões de dólares que entraram em default declarado em 2001, quando explodiu a pior crise econômica da Argentina.

Últimas Notícias

Ver mais
Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia
Future of Money

Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia

Há 5 horas

Importação de gás da Argentina pode abastecer o Brasil e reduzir a tarifa; veja o que está em jogo
Brasil

Importação de gás da Argentina pode abastecer o Brasil e reduzir a tarifa; veja o que está em jogo

Há 23 horas

Argentina formaliza interesse em ser 'parceiro global' da Otan
Mundo

Argentina formaliza interesse em ser 'parceiro global' da Otan

Há um dia

Importação de aço chinês bate recorde na América Latina e cresce pressão do setor por tarifas
Economia

Importação de aço chinês bate recorde na América Latina e cresce pressão do setor por tarifas

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais