Mundo

Alerta máximo: tufão causa enchentes no Japão e paralisa Tóquio

Duas pessoas morreram e nove continuam desaparecidas em deslizamentos de terra e inundações provocadas pelo tufão Hagibis

Estradas inundadas devido às fortes chuvas causadas pelo tufão Hagibis em Tóquio. (Kyodo/via REUTERS/Reuters)

Estradas inundadas devido às fortes chuvas causadas pelo tufão Hagibis em Tóquio. (Kyodo/via REUTERS/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 12 de outubro de 2019 às 14h11.

TÓQUIO (Reuters) - Um dos tufões mais poderosos que já atingiram Tóquio paralisou a capital japonesa no sábado, deixando milhões confinados em casa e as ruas desertas e duas pessoas mortas pela forte chuva e vento, que anda causou enchentes e danos generalizados.

Um homem de 50 anos morreu perto de Tóquio em um carro capotado por ventos fortes, enquanto outra pessoa morreu após ser levada em um carro, informou a emissora pública NHK. Nove pessoas continuam desaparecidas em deslizamentos de terra e inundações informou a tevê estatal.

As autoridades emitiram alertas e ordens de evacuação para mais de 6 milhões de pessoas em todo o país. Cerca de 80 feridos foram registrados até agora, enquanto mais de 270.000 famílias estão sem energia.

A tempestade, que o governo disse ser a mais forte a atingir Tóquio desde 1958, trouxe chuvas recorde em muitas áreas, incluindo a popular cidade turística de Hakone, com 939,5 mm de chuva ao longo de 24 horas.

O tufão Hagibis, que significa "velocidade" no tagal das Filipinas, atingiu a ilha principal de Honshu, no Japão, na noite de sábado. Um terremoto de magnitude 5,7 sacudiu Tóquio logo depois.

Mesmo quando o tufão se afastou da capital no sábado, um especialista alertou para novas inundações, já que várias prefeituras vizinhas começaram a liberar água das barragens, deixando-a fluir rio abaixo.

"A situação agora está pior do que na noite passada", disse Nobuyuki Tsuchiya, diretor do Centro de Pesquisa de Riverfront do Japão, à Reuters. Cerca de 1,5 milhão de pessoas em Tóquio vivem abaixo do nível do mar.

No mês passado, outra forte tempestade, o tufão Faxai, destruiu ou danificou 30.000 casas em Chiba, leste de Tóquio, e causou extensos cortes de energia.

O aeroporto Haneda de Tóquio e o aeroporto Narita em Chiba interromperam os vôos de desembarque e os trens de conexão foram suspensos, forçando o cancelamento de mais de mil vôos.

Os operadores de trens suspenderam extensivamente os serviços de trens-bala, enquanto muitas linhas de trem e metrô em Tóquio também ficaram inativas na maior parte do sábado. Normalmente, os movimentados bairros de entretenimento e compras, como Shibuya e Ginza, estavam desertos.

A Tóquio Disneyland foi fechada no sábado, seu primeiro fechamento relacionado ao clima desde 1984, e os supermercados ficaram sem água engarrafada, baterias e outros produtos relacionados a desastres.

Acompanhe tudo sobre:FuracõesJapãoTóquio

Mais de Mundo

Com redução de neve no Himalaia, 25% da população global pode enfrentar escassez de água em 2024

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Empresas chinesas focam em aumentar vendas com patrocínio na Olimpíada de Paris

Vendas no varejo de bens de consumo social aumentam 3,7% na China

Mais na Exame