Alemanha adota taxa bancária para cobrir falências

Medida do governo alemão pretende evitar que o contribuinte tenha que arcar com gastos de bancos falidos

Berlim – Apesar do risco de isolamento na Europa e no resto do mundo, a Alemanha adotou nesta quarta-feira um projeto de taxa bancária como o objetivo de evitar que o contribuinte pague pelas falências dos bancos, mas a iniciativa pode terminar sendo apenas simbólica.

Os bancos alemães deverão destinar ao Estado uma parte de seus benefícios, segundo a iniciativa, que deve passar primeiro pelo Parlamento até o fim do ano.

A quantia arrecada criará um fundo ao qual será possível recorrer em caso de ameaça de falência de um banco considerado de importância estratégica.

O valor da taxa será proporcional ao tamanho do estabelecimento e ao grau de risco de suas atividades. A Alemanha é o primeiro país a lançar a ideia de uma taxa deste tipo.

A opinião pública alemã manifestou muita irritação com os valores gastos pelo Estado para resgatar bancos, como por exemplo o do banco especializado no setor imobiliário Hypo Real Estate, que ainda se beneficia de mais de 100 bilhões de euros (126 bilhões de dólares) de garantias.

A Alemanha espera convencer outros países a adotar uma iniciativa similar, como uma maneira de preservar a competitividade de seus bancos, mas até o momento apenas a França parece entusiasmada com o projeto.

Leia mais notícias sobre bancos

Siga as notícias do site EXAME sobre Mundo no Twitter

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.