Acompanhe:

4 suspeitos serão julgados pelo ataque ao voo MH17 que caiu na Ucrânia

O avião da Malaysia Airlines caiu em 2014, após ser atingindo por um míssil identificado como russo, e matou todos os 283 passageiros

Modo escuro

Continua após a publicidade
Três russos e um ucraniano são processados por assassinato no caso do voo MH17 (Maxim Zmeyev/Reuters)

Três russos e um ucraniano são processados por assassinato no caso do voo MH17 (Maxim Zmeyev/Reuters)

A
AFP

Publicado em 19 de junho de 2019 às, 10h57.

Última atualização em 19 de junho de 2019 às, 11h39.

Três russos e um ucraniano serão julgados por assassinato na Holanda pela ação que derrubou um avião de passageiros em 2014 no leste da Ucrânia, um ataque com míssil russo - anunciou, nesta quarta-feira (19), a equipe que investiga o caso.

Os acusados são os russos Serguei Dubinski, Igor Guirkin e Oleg Pulatov, além do ucraniano Leonid Jarchenko.

"Hoje entregamos as ordens de prisão internacionais para os primeiros suspeitos. Também estarão nas listas nacionais e internacionais de pessoas procuradas. Por isto, anunciamos os nomes completos e publicamos suas fotos", afirmou o chefe de polícia da Holanda, Wilbert Paulissen, em uma entrevista coletiva.

O procurador Fred Westerbeke explicou que os "quatro são acusados de transportar o sistema (de mísseis antiaéreos) BUK para o leste da Ucrânia".

Os investigadores afirmam que este sistema foi utilizado para lançar o míssil que, em 17 de julho de 2014, derrubou um Boeing da Malaysia Airlines quando sobrevoava o leste da Ucrânia. O território é palco de um conflito armado entre separatistas pró-Rússia e forças ucranianas.

Os 283 passageiros do voo MH17, incluindo 196 holandeses, assim como os 15 membros da tripulação, morreram na tragédia.

"Os quatro suspeitos são levados a julgamento, em primeiro lugar, porque provocaram o acidente com o voo, que teve como consequência a morte de todos os passageiros do avião. Em segundo lugar, pelo assassinato das 298 pessoas a bordo", explicou o procurador.

Rússia não extradita

Um dos suspeitos, Igor Guirkin, negou nesta quarta-feira qualquer envolvimento dos separatistas ucranianos pró-Rússia.

"Tudo que posso dizer é que o Boeing não foi derrubado pelos rebeldes", afirmou o russo, que era um dos líderes da rebelião separatista na época do acidente. Também informou que não pretende prestar depoimento.

Silene Fredriksz, que perdeu o filho e a nora na queda do voo MH17, declarou estar satisfeita com o anúncio do julgamento.

"É um início", disse ela.

Ao ser questionada sobre quem era o responsável, ela respondeu com o nome do presidente russo, Vladimir Putin, "porque ele tornou possível, ele é o principal responsável".

Liderada pela Holanda e com representantes de Austrália, Bélgica, Malásia, Holanda e Ucrânia, a equipe internacional de investigação conjunta (Joint Investigation Team, JIT) anunciou em maio de 2018 que o míssil que derrubou o avião era procedente da 53ª brigada antiaérea russa. A base desta brigada fica em Kursk, no oeste da Rússia.

Holanda e Austrália, país que perdeu 38 cidadãos na tragédia, acusaram a Rússia diretamente, após as revelações da JIT. Pela primeira vez, a responsabilidade do ato que derrubou o avião foi imputada diretamente a Moscou, que nega qualquer envolvimento e aponta para a Ucrânia.

A tragédia é uma questão especialmente sensível na Holanda, onde o primeiro-ministro Mark Rutte transformou a busca e o julgamento dos culpados em uma das prioridades de seu mandato.

De modo paralelo, o grupo de investigação jornalística Bellingcat informou que revelará nesta quarta-feira os nomes de "indivíduos relacionados com a destruição do MH17" e destacou que seu trabalho é "totalmente independente e distinto" da investigação oficial.

"Esperamos ter os nomes e as funções dos suspeitos", disse à AFP Piet Ploeg, presidente de uma associação de parentes e que perdeu três familiares no acidente.

Os deputados holandeses ratificaram em 2018 um acordo assinado com a Ucrânia para que os processos judiciais aconteçam na Holanda.

Os acusados também poderiam ser julgados à revelia, pois a Rússia nunca extradita seus cidadãos perseguidos judicialmente no exterior.

A derrubada do MH17 piorou ainda mais as relações entre a Rússia e os países ocidentais, já muito deterioradas após a anexação da península da Crimeia por parte da Rússia em 2014 e pelo conflito no leste com os separatistas. Segundo vários países, estes últimos recebem apoio de Moscou.

Últimas Notícias

Ver mais
Incêndio devora edifício residencial em Valência, na Espanha, e deixa 13 feridos
Mundo

Incêndio devora edifício residencial em Valência, na Espanha, e deixa 13 feridos

Há 9 horas

França diz que forças russas ameaçaram abater aviões franceses em zona internacional
Mundo

França diz que forças russas ameaçaram abater aviões franceses em zona internacional

Há 10 horas

Mãe de Navalni diz que Rússia a pressiona por funeral secreto de seu filho
Mundo

Mãe de Navalni diz que Rússia a pressiona por funeral secreto de seu filho

Há 11 horas

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva
Mundo

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva

Há 14 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais